segunda-feira, 21 de maio de 2012

Mayara Petruso é condenada



O dia 16 de maio foi um dia histórico para a justiça brasileira, e para a sociedade brasileira também, Mayara Petruso, conhecida como a garota que queria afogar os nordestinos, foi condenada a um ano, cinco meses e 15 dias de reclusão. O Ministério Público já avisou que pretende recorrer da decisão da Justiça Federal, considerando tal pena branda demais.

Segundo a Justiça Federal, Mayara Petruso já teve muitos problemas por causa desse ato e por isso a pena seria reduzida.

Mayara perdeu o emprego, saiu da faculdade e passou a viver reclusa.

Essa explicação da justiça, para a redução da pena, já está sendo considerada polêmica, afinal, a justiça estaria considerando a justiça feita pelo povo e isso é perigoso.

Ironicamente, depois de convidar as pessoas para afogarem um nordestino, afirmando que nordestino não é gente, Mayara terá de aprender a ser gente.

Ela não ficará na cadeia, pagará uma multa irrisória de R$620,00, além de ter de prestar serviços à comunidade.

Eu já havia observado essa guerra racial e de classes que vinha crescendo em ritmos alarmantes na internet, na época das eleições e fiz a pergunta: "Quem será o primeiro burguês a cair ou sentir o sabor do próprio veneno?"

Eu li muitos comentários nada sutis, manifestações de uma sociedade que não assumia a culpa por todos os sofrimentos que seu sistema causou a sociedade durante séculos de história racista e discriminatória.

Nosso sistema não é só racista, nossos bilderbergers conseguiram reunir os afros e os pobres numa única classe, sem nenhuma chance de se defender. Mayara pagou pela classe, graças a sua falta de inteligência, indigna de viver no grupo de facistas mais hipócritas do qual ela pertence, mas que não são tão estúpidos quanto ela.

Mayara não tinha tantos seguidores no Twitter, onde fez as declarações, provavelmente também não era muito influente fora da rede, pelo contrário, era facilmente influenciável. Além disso, demonstrou o quanto a educação cidadã está atrasada.

Apesar da concentração das manifestações contrárias ao racismo e xenofobia, em Mayara, que não é inocente, eu alertei para um problema muito maior.

Mayara demonstrou um pensamento burguês que a elite prefere disfarçar, fazendo piadas discriminatórias. Até há pouco tempo atrás, haviam programas de humor, e uma linguagem politicamente incorreta bem mais tolerante pela sociedade.

A sociedade não mudou, apenas tornou-se mais discreta.

Como nós sabemos que a educação familiar, politica e social, está muito mais decadente, eu me pergunto como ainda não temos uma organização secreta mais perigosa.

Eu diria que as poucas pessoas indesejáveis para a elite, que conseguem alcançar o topo, seguem a cartilha imposta pelo sistema, por isso são toleradas. Elas são úteis e ajudam em sua causa maldita, mesmo sem saber.

O caso Mayara Petruso despertou um sentimento de revolta no povo, principalmente nos mais afetados por discriminações desse tipo, por isso a repercussão que teve.

A burguesia pode ter falado: "Essa história já encheu", mas esse fato serve também para nos lembrarmos que há câmeras nos filmando por toda parte e que mesmo sendo honestos e trabalhadores, estaremos sujeitos à erros e punições  que devemos evitar e que a educação e a família tem de ser repensados.

Ao errar, Mayara mostrou o que a burguesia pensa e que a sociedade já sabia mas só esperava uma oportunidade para pegar um burguês no flagra. Pior para a Mayara.

... e que venham outros flagras como esses.

By Jânio

Texto relacionado:

Mayara Petruso: A garota que queria afogar os nordestinos



74 comentários:

Anônimo disse...

Acho engraçado um texto lotado de preconceito falando de preconceito, acho q a hipocrisia está mais perto do que a gente pensa =D

Anônimo disse...

Texto excelente. Parabéns!

Ela é pó, assim como todos nós. Não passamos de aglomerados atômicos sobre um pequeno grão de poeira cósmico(Terra). A justiça é falha e hipócrita. Se ela foi condenada por uma manifestação supostamente infeliz de sua opinião, deveriam todos condenar-se a si mesmos.

Sou nordestino, mas não me senti ofendido na época. Aliás, o Nordeste é uma região de mil e uma maravilhas, assim como todo o Brasil. Tive pena dela, por ser tão estúpida.

Ela é apenas um espelho do que é a sociedade, que se esconde atrás de máscaras.

Anônimo disse...

Essa moça cometeu um erro grave:nem sempre falar o que se realmente pensa. Se fizéssemos uma pesquisa no Brasil,como uma feita na Inglaterra, naqual foi constatada que um em cada três pessoas se diz racista,tenho certeza que 90% dos racistas não admitiriam sê-lo. No final da década de 80 e começo de 90, foi realizada uma pesquisa,no meu ponto de vista até idiota,de que se fôssemos dividir o Brasil,como que separá-lo,como,cada estado ou região gostaria que fosse. Segundo os 3 estados do Sul,seria a região sul + São Paulo,MS,MT e a região Amazônica.Segundo os estados do nordeste,seriam eles + região amazônica,ES,MG e SP. E assim foi feita em todas as regiões,onde ninguém queria o RJ. Não sou do Rio,mas posso imaginar como a população deve ter se sentido com relação a isso. Sou de Curitiba, onde a discriminação é grande, assim como toda a região sul. Esse tipo de atitude na moça cita acima,é vista no sul como que ''normal'',nas conversas entre famílias,amigos e colegas. Infelizmente, o que aconteceu com a Mayara,não tem como acontecer com todas as outras pessoas de mesmo ''pensamento''. A discriminação existe de duas formas:a ofensiva,vindo do racista;e a defensiva,algo justo vindo da vítima. Racismo é crime e não tem a ver com liberdade de expressão,mas no Brasil tudo tem um jeito!

Anônimo disse...

Essa moça apenas expôs a verdade ...

Quanta hipocrisia de nossa sociedade ...

kleber bh disse...

ótimo comentário!

Anônimo disse...

parece que estamos virando um país...

Anônimo disse...

idiotisse essa materia nao deicha de ser uma report racista tambem

Anônimo disse...

Bom texto!

Anônimo disse...

Finalmente a Justiça foi feita!!!
Parabéns ao blog, simples e sutil.

Nana Nenem disse...

Bem polêmico o post. Vc expressa bem o que pensa, não concordo totalmente.
acho só que essa hipocrisia sempre aconteceu e que a burguesia agra está se incomodando por perder, mesmo que aos poucos sua hegemonia.

Nana Nenem disse...

Bem polêmico o post. Vc expressa bem o que pensa, não concordo totalmente.
acho só que essa hipocrisia sempre aconteceu e que a burguesia agra está se incomodando por perder, mesmo que aos poucos sua hegemonia.

Papacich disse...

E O LULA DIZENDO QUE PELOTAS E EXPORTADOR DE VIADO?
NINGUEM DIZ NADA?

Anônimo disse...

Não existe burguês no Brasil. Burguesia é uma classe social de comerciantes de especiarias que surgiu no Oriente Médio durante a Idade Média. Foi a classe social que mais realizou mudanças sociais, culturais, e econômicas durante a história da humanidade, simplesmente porque trabalhavam e passaram a acumular os frutos de seus trabalhos.

Jânio disse...

Olá Anônimo 1:

Depois do seu comentário, eu reli o texto e não encontrei nada, mas agradeço a sua participação e opinião moderada.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 2:

Talvez você não tenha se ofendido por lidar melhor com a situação e por ter uma base psicológica muito boa também. O problema é que estávamos em uma guerra, como eu alertei várias vezes e foi num perfil inexpressível do Twitter que a revolta explodiu.

A sua visão poética é muito bonita, quanto à condenação, talvez ninguém condene-se a si mesmo, mas todos deverão pensar nas consequências de suas manifestações impensadas, afinal, como eu disse, os burgueses costumam ser mais discretos que Mayara.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 3:

Obrigado por compartilhar dados dessa pesquisa, isso mostra um problema oculto nas sombras.

Infelizmente, com as mídias que temos, esses problemas não serão divulgados e poucas pessoas terão acesso.

Mais uma vez, obrigado pelos dados.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 4:

Os criminosos verdadeiros não são menos culpados. Quem mostrar a cara, será condenado.

Não é só a questão do racismo e discriminação, a covardia é muito mais séria, pelo menos para mim.

ABS

Jânio disse...

Olá Kléber:

Obrigado pela participação e pela força.

Apareça sempre.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 5:

Há evidências que sim, e podemos ser muito mais expressivos do que reza a nossa tradição.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 6:

Eu não sei de que tipo de racismo você está falando, mas eu lhe garanto que não pretendo afogar nenhum burguês, mas se um dia eu estiver com algum deputado ou senador. longe do alcance de outras pessoas, pode ter certeza que vamos acertar algumas continhas.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 7:

Obrigado pela participação.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 8:

Todos concordam que a pena foi branda demais, mas não deixa de ser uma evolução, não é mesmo?

ABS

Jânio disse...

Olá Nana:

O Brasil é um dos países com as piores distribuições de renda do mundo e isso se reflete desses fatos bizarros. Na medida em que a desigualdade for diminuindo, essas pessoas vão pensar antes de falar tanta besteira.

ABS

Jânio disse...

Olá Papacich:

Essa notícia é nova para mim, vou pesquisar sobre.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 9:

Os burgueses não trabalhavam duro, eles comercializavam o fruto do trabalho duro de outras pessoas.

Hoje a classe burguese é atribuída à classe média alta, devido a sua ociosidade, interesses e controle de ferramentas que ajudam a nos domesticar, como veículos de comunicação, política, jornais, etc.

ABS

Danilo Augustus disse...

É engraçado quando as pessoas ficam indignadas quando um repórter do CQC é barrado no SENADO por fazer perguntas indiscretas ou por fazer algum tipo de piadinha sobre um governante qualquer. Da mesma forma é com essa menina que nem sei o nome e pouco me importa também. Se ela fez uma piada idiota, dizendo alguma merda, dane-se. Terei aqui que voltarao tempo e lembrar de uma frase de Voltaire: "Posso não concordar com o que você diz, mas lutarei até o fim para que você o diga".
Isso é liberdade. Ela dizer que queria uma classe inteira, os nordestinos, sendo afogado, é uma coisa, ela ir e afogar, literalmente, essa classe, é outros 500. Ultimamente as pessoas estão muito "não me toque" (sem querer fazer alusão à cidade gaúcha).
Eu sou gordo e tive muitas espinhas quando era criança e adolescência. Sofri muito, como dizem hoje em dia, bullying e nem por isso, virei um serial killer. Tomei chinelada dos meus pais para ser repreendidos quando era criança, fiquei de castigo e nem por isso matei meus pais. Hoje em dia está muito chato, não se pode fazer mais piadas. Se a piada é sem graça, paciência, alguém deve ter gostado. Fica aqui, por fim, o que quero dizer: não concordo em ser contra um povo, seja ele qual for, por qualquer que seja o motivo, mas acredito eu, que a boca é dela e ela fala o que bem entende, ou não vivemos em uma democracia?

Jânio disse...

Olá Danilo:

Fazer piadas politicamente incorretas é uma excelente forma de disfarçar o lado criminoso, mas atenção, politicamente incorretos, antes de fazer isso, tenha certeza de que você está realmente preparado para a devassa que será feito em sua vida.

Mayara foi uma espécie de desabafo manifestado pela sociedade. Durante toda a eleição, eleitores de esquerda foram chamados de "burros", idiotas, estúpidos, ignorantes e analfabetos. Diziam que os eleitores do PT trabalhavam tanto que não tinham tempo de estudar, por isso eram tão estúpidos.

Os extremistas de direita se revelaram mais intolerantes que os extremistas de esquerda, apesar de terem uma educação muito melhor, estando portanto consciente dos seus atos. Durante toda a campanha, a esquerda suportou isso.

Mayara era a burguesa que eles queriam, e conseguiram. Conseguiram porque a opinião pública tem força no país, exceto quanto atinge a aristocracia.

Mayara não pode se fazer de inocente, afinal, sendo advogada ela deveria saber das consequências.

Quando Rafinha bastos foi processado, ele poderia ter se explicado, mas ele não fez isso pois sabia que tinha um ás na manga.

A burguesia também sabia dos planos dele, por isso não pegou pesado, já que a piada de duplo sentido poderia ser explicada, caso o humorista quisesse.


Fazer piada na internet tem um risco, não dá para saber se é uma piada ou se é sério, por isso, é preciso deixar bem claro se for uma piada, caso contrário, a pessoa estará sujeita a passar por essa situação constrangedora.

Como eu disse no outro texto, o politicamente incorreto não está livre de ter de se explicar, por isso, antes de falar m**** é preciso ter uma boa explicação preparada.

A discriminação é claramente notada na sociedade injusta, manifestações preconceituosas podem ser vistas como apologia.

Parabéns as pessoas que denunciaram, é bom ver um rico sentindo na pele uma justiça que só favelado conhece.

ABS

Anônimo disse...

É irônico que num país que se diz democrático e que a liberdade de expressão é um direito fundamental, uma pessoa seja presa por dizer o que pensa.... Isso parece coisa de país que vive os bons dias da ditadura militar...

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Vamos por partes:

Democracia - Democracia inclui os nordestinos, xingar nordestino, pobre é muita covardia, já que eles são a parte mais fraca.

Liberdade de expressão há, tanto que a Mayara falou esse monte de M**** e não vai acontecer nada. Ela deveria pelo menos responder pela sua falta de noção, uma advogada racista e preconceituosa é tudo o que faltava, imagina se um nordestino vai contratar uma nazista dessas.

Ditadura - Nos tempos da ditadura sumia muita gente, não havia nenhuma liberdade. Curiosidade: o regime militar era apoiado por essa elite da qual a Mayara participava.

Conclusão: Ofender um burguês rico é uma coisa, não é covardia, já que ele pode se defender e até processsar todo mundo, covardia é atacar pessoas que não tem nenhuma chance. Talvez ela devesse ir lá no nordeste brigar com nordestinos ricos, para ela ver o que acontece.

ABS

Anônimo disse...

Eu sou um bilderbergers e acho que você está indo longe demais!!!!!

Anônimo disse...

Desculpe Jânio, peço licença para entrar nesse debate. Na minha opinião estão fazendo muita polêmica. O Brasil vive uma falsa democrácia. Nos EUA até a Ku Klux Klan tem seu direito garantido de se manifestar(que eu acho absurdo, mas lá é democracia, com algumas falhas, mas é). Vamos parar com essa hipocrisia sensacionalista. O ser humano desde que surgiu na terra, se forma e se divide em grupos. Grupos pressupõe um número de pessoas para um fim comum. Um grupo de rock, grupo de punks, médicos, cientistas, professores, filósofos, políticos, caminhoneiros, pilotos, estudantes, amigos, motoqueiros, atletas, militares e até mesmo bandidos formam um grupo (ou quadrilha mais especificamente). Não adianta leis querer mudar a natureza humana, sempre haverá grupos de diferentes idéias e comportamentos conflitando umas com outras, hoje, amanhã, daqui 200, 500, 1000 anos. Nunca, nenhuma lei(a não ser uma ditadura) obrigará alguém gostar de outra, sem que haja um mínimo de sintonia idealista ou afetiva. Eu por exemplo; NÃO gosto de fumantes, acho grande maioria arrogantes, sujam tudo por onde passam, não param de fumar por que não querem, pois tratamentos existem!. NÃO concordo chamar de esporte e de atleta um sujeito que soca a cara de outro até sangrar!. NÃO gosto de gente que vende seus votos!. NÃO gosto da "estabilidade" para funcionário público (porque além dos excessos de vantagens com o nosso dinheiro, a grande maioria não respeita o cidadão, dilapidam os bens públicos e se acham acima de todos). Entende? Pode parecer fortes minhas opiniões diante desses grupos, nem por isso vou sair "afogando" os mesmos, mas lutarei até o fim para ter o meu direito de opinar. Essa moça pertence à um grupo de pessoas que perdeu a cabeça, ao ver seu país entregue novamente à um outro grupo(políticos corruptos) e que diariamente estão envolvidos em escândalos, afetando nossas vidas. Porque infelizmente no Brasil o sistema eleitoral é podre e ultrapassado, onde o voto do miserável e analfabeto-político tem mais força. Não só o povo nordestino (que estatisticamente é a maioria), qualquer analfabeto de qualquer região por conta de sua natural ignorância proporcionada por décadas de falta de investimento na educação (porque é assim que os governantes corruptos veem um grupo de analfabetos, como "curral eleitoral", ou "gado", se preferir), sempre será visto como um empecilho e atraso num processo político. É preciso que "calibremos" melhor nossas opiniões ao condenar alguém. Ela teve um mal momento, assim como a maioria dos Corintianos que não sabem se comportar quando time perde, essa menina extrapolou o bom senso, mas entre xingar e cometer o ato de fato, tem que ter muita coragem. Desculpem, mas é a minha opinião, um abraço à todos e que a paz esteja convosco.

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Eu acho que a Mayara usou as palavras erradas na hora errada.

Durante as eleições, eu notei que a direita falava muita bobagem racista, confundia eleitores com políticos e não tinha a menor noção do certo e errado.

Não há dúvida que esses textos racistas vinham de um grupo aristocrático bem definido, que sabiam que não iriam vencer as eleições.

Mayara seguiu esse grupo, como toda burguesia que tem boa memória para a educação elitista brasileira, mas pouca inteligência para pensar, pior, ficou sem grupo nenhum.

Os nordestinos reagiram e descontaram sua indignação em Mayara, que além de seguir seus amigos ricos, usou as palavras erradas no hora errada. Ninguém precisará chorar por ela, afinal, não aconteceu nada.

Num país de m**** como o Brasil só há um tipo de lei, a lei com as próprias mãos. Enquanto a elite cria seus grupos de extermínio, apoiada pela PPP, os pobres explodem junto a grupos marginalizados, como sem teto, sem terra, sem comida e sem educação.

O problema se agrava quando um grupo como o PCC toma conta de toda uma cidade, e alguns indivíduos que não tem nada com isso, aproveitam para descarregar sua fúria.

A direita conspira durante quinhentos anos, sempre organizadamente e secretamente, a esquerda que nunca foi organizada, reage criando o terror. Felizmente esse terror ainda não começou, não ainda.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo !:

Quando eu falo em bilderbergers brasileiros, eu estou sendo irônico, fazendo uma associação entre a nossa aristocracia e os donos do mundo.

Nossos aristocratas ainda não foram aceitos no clube de bilderberg e talvez nunca sejam. Os bilderbergers tem tem os seus problemas, mas são organizados e eximem educação, infraestrutura e um bom IDH. Os bilderbergers não são estúpidos, caso contrário eles não teriam dominado o mundo, não é mesmo?

ABS

Saul Zulske disse...

Eu vejo um grande nível de preconceito e estupidez vindo do Janio quanto ao que ela chama de "burguesia" brasileira. Deveriamos nós entrar com uma ação na justiça contra ele por sentirmos ofendidos? A Presidenta Dilma Roussef, membra da "burguesia" de Janio não é vista como tal por pertencer à esquerda. Antes de você começar com a guerra de classes dizendo "falou o que não devia", "pertence a elite", "amigos ricos" e asneiras do tipo. Pense bem como a lei deveria tratar cada individuo igualmente. Não importa se Mayara é rica, pobre, preta, branca, azul, ou cor-de-rosa. O que importa é que como individuo ela tem o direito de expressar sua mente, foda-se alguém se sentiu ofendido. Você mesmo trata ela diferente por conta de sua classe social, sua opiniões e comentários a ela são nitidamente baseados no fato dela ser de classe média.

Sou descendente de alemães no Brasil, meus antepassados nunca tiveram um escravo siquer, por que devo eu pagar impostos para bancar quotas de pretos na universidades? Estou sendo discriminado da mesma maneira. Por que devemos ter o dia da consciencia negra? Se um dia dedicado a uma raça não é racismo, eu não sei o que é.

O comentário de Mayara foi estúpido, mas foi apenas um comentário. A vida continua, e fazer uso do estado para calar um ser humano é sim ditadura, desta vez desfarçada de democracia.

Por favor, pare de usar o termo "burguesia", apenas mostra sua ignorancia. A burguesia ascendeu através do trabalho, a nobreza não via a burguesia com bons olhos, pois como todo nobre sua riqueza vem de impostos, não de trabalho. Você deve se sentir um nobre por não gostar de burgueses, né? A propósito, não existem burgueses no Brasil.

Jânio disse...

Olá Saul:

Bom, para começar, eu gostaria de dizer que eu também sou contra a política de quotas para negros, mas continuo com a mesma opinião de que num país de políticas tortas, as políticas tortas podem até dar resultado, como tantas outras leis idiotas como ficha limpa, que eu passei a apoiar, já que descobri que todos os políticos são criminosos; lei para não fumar em público, que é um lei para idiotas e estúpidos mal educados; leis para não dirigir bêbado, nem vou comentar, etc.

A burguesia, nos dias de hoje, é um termo utilizado para identificar a classe média alta, a mesma que ajuda a manter a máquina do poder funcionando PPP.

O golpe dos militares, em 64, foi articulado por um grupo da elite. Eles se arrependeram da m**** que fizeram, quando os militares instauraram a ditadura.

A burguesia tinha medo da reforma agrária, onde toda a terra sem documento e que foi invadida há muito tempo, seria distribuída para os mais pobres.

Outras leis socialistas que beneficiavam os pobres, irritavam a burguesia que morria de medo do comunismo.

A Mayara agiu de acordo com o meio em que ela vive, nota-se claramente isso. Talvez ela não seja tão rica quanto as pessoas com as quais ela convive, e pelos quais ela seja influenciada, mas o seu comportamento a torna burguesa, assim como a elite na qual ela se inspira.

Eu não sou de esquerda, apesar de muita gente me confundir com socialistas. Eu acompanhei e acompanho cada escândalo de esquerda, assim como acompanho cada escândalo de direita e vou continuar criticando.

Eu não gosto quando um banqueiro maldito, como o SS, entra num banco estatal e leva 4,5 bilhões de reais, coisa que nenhum banco público financiaria.

As palavras da Mayara não foram do tipo "eu não gosto de nordestino", se fosse isso, que é errado, ela não seria processada, ela falou muito mais.

Eu sempre digo que a reputação de um político começa pelo salário que ele ganha, não me importo se eles irão me processar.

A burguesia tem muitas facilidades e acessos a instituições do governo que nenhuma pessoa comum teria, e eu estou falando da classe média baixa também.

A classe média anda muito iludida, mas logo seremos todos pobres e só aí, se lembrarão que somos iguais.

Quando há um movimento de greve, organizado por esquerda ou direita, estão pensando somente no seu nariz.

Mayara foi castigada, assim como qualquer pessoa que fale o que não deve. Eu nunca vou falar mal de quem trabalha e ganha proporcionalmente ao que o Brasil inteiro ganhe, caso contrário, para mim será um maldito burguês, que tem privilégios e que vai pagar muito caro, quando todos os pobres cansarem de ser escravos, o que já está acontecendo.

Burguês é quem trabalha pouco e ganha muito, burla o sistema, tem privilégios do estado, acha que o país não tem lei, fala besteira.

Burguês é burocrata e instituições de compadres políticos, separatistas que gostam de criar uma guerrinha particular para cada
grupo da minoria, como Hitler fazia.

Primeiro são os gays e lésbicas, depois são os nordestinos, depois são as mulheres, depois são os velhos, depois são os pobres, depois dão os estrangeiros, etc.

O pior é que todo mundo entra nessa encrenca, sem saber que estão sendo usados para criar a guerra do separatismo, uma guerra elaborada pela elite e idealizada por aristocratas.

ABS

Saul Zulske disse...

Você disse que a Mayara "falou o que não devia", eu concordo que o que ela falou foi grotesco, no entanto, quem é o Estado para determinar o que deve ser falado e o que não deve ser falado? Não seria o único legítimo papel do Estado o de garantir os direitos individuais de cada um? É natural do ser humano expressar aquilo que sua mente dita, o direito de expressão precede o Estado, portanto não cabe ao mesmo impedir que um indivíduo possa agir naturalmente quando este não fere a ninguém, mesmo que esta ação seja vista como grotesca pela maioria. Liberdade de expressão não existe para falar sobre coisas não-controversas, do contrário, defender a liberdade de expressão é defender até mesmo aquilo que você não gosta de ouvir.

O mesmo com liberdade de religião, por exemplo. Eu não sou cristão, acho um absurdo o que um cristão acredita, mas eu jamais impediria uma pessoa de professar a sua fé, independente de qual seja. Assumindo que você seja cristão, você defenderia o direito de um ateu?

Você diz que não é de esquerda, mas tudo que você fala é típico de um de esquerda. A diferença da esquerda para a direita é que a esquerda trata a sociedade em grupos, assim como você faz, é uma visão coletivista que busca atingir seus objetivos através da guerra entre classes. Mas grupos é uma idéia fictícia, intangível, somos todos indivíduos, e como indivíduos cada um possuímos direitos. Regimes de esquerda como o comunismo, socialismo e o nazismo (sim, nazimo é de esquerda, o nome do partido nazista era Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores da Alemanha) são regimes que retiram a individualidade de cada um fazendo-nos acreditar que pertencemos a um grupo, uma ficção. A direita enxerga o indivíduo (não existe partido verdadeiramente de direita no Brasil) e o único papel do Estado é de defender os seus direios. Se eu como indivíduo não posso te calar, como eu posso delegar ao Estado que o cale? Não é direito nosso dizer como outros indivíduos devam viver, nem mesmo a maioria pode ditar como os indivíduos da minoria devam viver. De onde vem esta autoridade se não vem do individuo? É o Estado apontado por Deus, assim como os Reis?

Jânio disse...

Olá Saul:

Eu não sou de esquerda, eu sou anarquista. Num país de m**** como o Brasil, ser anarquista é a melhor maneira de pensar de maneira correta.

Sim, eu acredito em Deus, mas não com esse nome. Eu penso que Deus era um nome genérico, muito utilizado pelos gregos e romanos, contudo, não me importo que chamem a um força geradora da ordem universal de Deus.

Eu não defendo só os ateus, defendo os gays, idosos, mulheres e crianças. Defendo também os negros e pobres, sem tetos e pessoas marginalizadas, eu só não defendo os covardes.

Mesmo que eu diga que não goste de você, eu vou evitar levar para o lado racista, que é covardia. Dizer em público que você não é gente e pedir para te matarem afogado ... hummm ... aí, já seria passar dos limites.

O Nazismo começou como um partido socialista, apoiado pelos trabalhadores, quando descobriram que os judeus controlavam todos os sindicatos, acharam um jeito de mudar as coisas. O Nazismo era tão de esquerda quanto o PT é hoje, liberando bilhões para banqueiros, a mesma coisa que o PSDB fazia, Partido Social do Brasil.

Racismo e conspiração, separatismo de classes, é coisa de direita. A esquerda está mais para os democratas americanos, diferente dos democratas brasileiros, mas no fundo, o bipartidarismo são duas faces de uma mesma moeda.

Na época em que surgiu a esquerda, esse foi um termo preconceituoso para definir a oposição ao governo, assim, quem era contra, ficava a esquerda, o restante ficava a direita.

A direita é especialista em organizar e alinhar tudo o que está no topo, ao contrário da esquerda que é populista e prefere se promover na base da sociedade.

Separar em classe é uma atitude covarde de direita, assim como a Mayara. Não é só contra os nordestinos, é contra negros, mulheres, crianças, idosos, estrangeiros, pobres, gays e lésbicas, etc.

A direita trabalha a (des)informação de opinião, lideranças e organizações, a esquerda distribui vales e cestas básicas.

Saul Zulske disse...

Você é anarquista, mas defende a iniciativa de força por parte do Estado para calar um indivíduo que falou o que pensa? Isto é o oposto do anarquista. Pelo visto se auto-denomina anarquista, mas acredita em algo completamente diferente.

A luta de classes foi pregado por Karl Marx, não é da direita. Ditadura do proletariado, lembra?

Só me responde uma coisa, de onde vem a autoridade do Estado em prender um individuo que falou o que pensa? Por pior que seja o que ele tenha falado. Pois dos próprios indivíduos não vieram. O Estado foi o próprio autor deste poder, se tornando um Estado autoritário. Este poder não emanou do povo, pois o povo nunca o possui. O único poder legítimo que indivíduos possuem é o de se defender. Não o de calar o próximo. Se o Estado pode fazer isso com essa menina, não existe nada que ele não possa fazer contra você.

Jânio disse...

O Estado brasileiro não tem foça nenhuma, eu acho que isso é coisa da sua cabeça. Não aconteceu nada com a mayara.

Eu acredito que as classes deveriam ser unidas, como acontece em países desenvolvidos, mas enquanto os pobres estiverem passando fome, não haverá nenhuma união de classe.

União de classes só existe para você e para os seus, isso há quinhentos anos. Eu defenderei o direito de você mandar me matar afogado, defenderei o direito de você dizer que eu não sou gente, mas depois de quinhentos anos, você haverá de pagar por isso, mesmo que você não tenha me matado.

A sua pena será de trabalhar em uma ONG, olhar para pessoas que não são gente, como eu era, olhara para pessoas que você poderá mandar afogar quando quiser. Essa será a sua pena.

Lauro disse...

Onde uma pessoa é presa por dizer o que pensa não é um país... é um sítio!! Ela simplesmente fez um comentário estúpido, fruto da sua ignorância...() Pior são aqueles que passam das palavras para os atos e vivem impunes (e o brasil tem a maior taxa de homicídios do mundo, como tivesse em guerra civil)!

O que dizer do video da Maitê Proença que "ofende" os portugueses ( http://www.youtube.com/watch?v=Jb-oM17bTQ4 )? ...upss, será que não posso contar piada de português?

Preconceito é o ESTADO não dar as mesmas condições para todos cidadãos, é negligenciar a saúde pública e princilpalmente a EDUCAÇÃO de modo todos cidãdãos possam ter as mesmas condições para singrar na vida! De resto, as pessoas não precisam que certos privilegiados tinham pena deles (pena tem a galinha!)

Aqueles que praticam crimes, homicídios, peculato, estupros, etc.. estes sim deviam ser julgados e presos!

Isto é meio caminho andado para que um dia uma pessoa vá presa por mero comentário político...

Saul Zulske disse...

Uma pergunta apenas, pois você continua falando de coisas TOTALMENTE irrelevantes à discussão:

De onde vem a autoridade do Estado em prender um individuo que falou o que pensa?

Jânio disse...

Me diga quem o Estado prendeu e eu lhe respondo esta pergunta.

Enquanto isso, gostaria de dizer que essas piadinhas podem ser muito engraçadas aí em cima, mas aqui embaixo é crime e o Estado foi pressionado pela sociedade para punir a Mayara.

Como um leitor disse: Racismo não tem nada a ver com liberdade de expressão, pode até ter sido durante quinhentos anos, mas não é mais.

A alta burguesia não costuma dar bola fora não, portanto, não se apavore. Apenas os mais fracos entregam o jogo e caem na malha fina.

ABS

Jânio disse...

Olá Lauro:

O mundo está mudando, meu caro.

Você sabe porque tem tantos homicídios, peculatos, estupros, etc?

Falta de educação, mas isso não alivia a barra não, não é porque eles são marginalizados que a justiça vai deixar em branco.

Mayara era advogada. Você conhece o ambiente em que um advogado vive?

A internet é um ambiente sério e público, não é a casa da sogra não. Se falar besteira, mesmo sendo piada politicamente correta, vai ter de se explicar, qualquer um sabe disso.

ABS

Saul Zulske disse...

Jânio, escreva "preso por racismo" no google e você verá inúmeros casos de pessoas que foram presas por falarem asneiras. Agora me responda, de onde surgiu a autoridade do Estado em punir alguém por falar o que pensa? Emanou do povo? Eu não conheço nenhum indivíduo que tem o direito de calar o outro. Estado autor dos seus poderes é Estado autoritário.

Lauro, meio caminho andado já se tornou caminho inteiro. O Facebook sofrerá paralisação de 24 horas no Brasil, decidiu o Juiz da Justiça Eleitoral, Luiz Felipe Siegert Schuch. O motivo de tal decisão ocorreu após a rede social de Mark Zuckerberg se recusar a remover uma página com críticas a um candidato a vereador que já havia sido fornecida em uma liminar datada de 26 de julho.

Se Jânio fosse anarquista com diz, ele acreditaria em uma sociedade onde os indivíduos se relacionam voluntariamente, e não através do uso da força da mão pesada do Estado. Eu acho incrível como ele fala com tanto ódio do que ele chama de "burguesia" mas fala com tanta admiração daqueles que estão no poder. A burguesia sempre foi a anti-nobreza, aqueles que subiram na vida através do trabalho, não através do acidente do "sangue azul".

Jânio disse...

Olá Saul:

Costuma-se chamar de burguesia, hoje, pessoas bem sucedidas que são responsáveis por formar opinião ou ponto de vista. Entre os burgueses estão a própria classe média alta, executivos, burocratas, comerciantes de cartéis e o resto da PPP.

Uma pessoa pode ser pobre e defender o sistema, tando de esquerda, quanto de direita, dependente de seus interesses. Quando alguém faz greve para melhorar o seu salário, está pensando em seu próprio nariz, quando alguém prega o fim de uma greve de caminhoneiros, prega higiene social, está sendo burguês nos dias de hoje.

A melhor forma de se enturmar com neo-nazistas é através de piadas racistas. Não é tão difícil de separar o politicamente incorreto do neonazista.

Um artigo sem contexto aproveitável, com palavras racistas, leva a essa conclusão.

O racismo brasileiro tem cor, tem status, tem cultura, reputação e até ideologia política.

Eu nunca vi uma chacina de arianos, ou outra raça de países ricos, até na cadeia o racismo prevalece. Então, de onde surge o racismo, se não de pessoas covardes que, se não fazem, falam, conspiram, incitam, motivam.

Quando uma pessoa manda matar um adversário político, pode estar apenas brincando, mas haverá psicopatas suficiente para fazer cumprir as suas piadinhas estúpidas.

Quem, manda matar, considera-se inocente e de mãos limpas, mas ele é culpada, pior, pode ser o único culpado, caso o assassino seja um doente mental.

Ao invés de preso por racismo, eu prefiro buscar por chacinas, mortos pela polícia, morte de juízes, etc. Não é o crime comum que me preocupa, é o crime qualificado.

Eu não defendo nenhum dono de poder e nem pessoas que falam o que não tem coragem de fazer, assim como eu acho que pessoas ditas educadas e que gostam de dizer frases do tipo "eu tenho faculdade", agora, terão de ser responsabilizados pelos seus atos.

A internet é um veículo de comunicação que exige muita responsabilidade, tanto quanto uma rede de tv e um jornal de grande circulação. Mayara não tinha nem amigos em seu perfil, mas quando a m**** entrou no ventilador, sua mensagem foi lida por milhões de pessoas aqui e no exterior.

Eu não estou aqui para defender o Estado, mas o Estado cumpre a lei apenas quando é acionada e, em alguns casos, exige até uma boa petição.

ABS

Saul Zulske disse...

O Brasil nunca foi alvo de chacina afim de genocídio, ou seja, para exterminar uma "raça".

Mas durante a história da humanidade todas as raças em um ponto sofreram isto, você nunca viu genocídio de brancos?

E quanto ao Holocausto da Ucrânia em 1944? Quando 2 milhões de ucranianos morreram após trabalho forçado, tortura e falta de alimentos provocado pelo Estado Soviético?

E quanto ao Haiti em 1804, que após independência conquistada pelos escravos negros toda a população branca francesa de todas as idades, homem e mulher, foi completamente exterminadas na propria ilha?

E quanto ao Império Turco Otomano que provocou o genocídio armênio (1915) 1,5 milhão e genocídio grego 750 mil (1915)?

Não se esqueça, a própria palavra "slave" (escravo) em inglês vem dos povos eslavos (slavs), pois eram usados como escravos pelos romanos.

Estes são alguns exemplos de brancos sendo desimados por outros brancos, por negros e por médio orientais, genocídio e escravidão não é exclusivo daqueles que possuem maior pigmentação na pele.

De quem você pensa que os portugueses compravam os seus escravos na África para vender no Novo Mundo? De tribos negras que escravizavam outras tribos negras mais fracas. Tribos como a Ashanti do Gana e Yoruba da Nigeria são alguns exemplos. O próprio Zumbi do Palmares, adorado no Brasil com até feriado da consciencia negra, quando se viu livre em seu quilombo possuia para si vários escravos.

O escravo ser sempre lembrado como negro é culpa da nossa falta de educação histórica. Escravidão foi um problema economico, não um problema de racismo, escravidão foi utilizado desde as civilizações mais primitivas, por povos de todas as cores contra outros povos e a até mesmo dentro do mesmo povo. Quem transformou escravidão em racismo foram os progressistas escravocratas do final do século 19, onde as idéias em que todos são iguais estavam em seu apogeu. E afim de justificar a escravidão, determinaram que os escravos eram de genética inferior, por isso não eram iguais. Os escravos desta época eram negros, daí o racismo misturado à escravidão.

Porém, o capitalismo com a grande revolução industrial e a necessidade de trabalhadores mais qualificados, assim como a de consumidores, fez desnecessário o uso da mão-escrava, trazendo liberdade para os escravos negros. Ou seja, não foi o Estado com a caneta mágica de Dona Isabel, mas o burguês trabalhador que você tanto odeia que liberou o negro no Brasil.

Agora, você não respondeu a minha pergunta de novo, de onde surgiu a autoridade do Estado em punir alguém por falar o que pensa? Emanou do povo?

Jânio disse...

Pode não ter emanado do Estado, mas é o povo que pressiona para que haja responsabilidade nas palavras.

Não é o pensamento que está sendo julgado, é a falta de responsabilidade.

A escravidão do passado não deve jamais justificar erros do presente, além disso, as leis do racismo são bem claras.

Xingar um burguês que vive em uma mansão, com a boca escancarada, cheia de dentes, que não precisa mais de escravos, é diferente de ofender um pobre que já vive na m****, mas o crime será o mesmo.

A sociedade de hoje combina, o racismo, onde a maioria dos pobres são negros, eugenia, falta de infra-estrutura e sociedade elitizada, com vestibulares e concursos que aprovam na proporção de cem ou quinhentos por um. Quem passa no vestibular, acha que está no céu, aí, vem os concursos, exame da OAB, desemprego, e Mayara Petruso, para acabar com o sonho.

Assim é a vida.

Saul Zulske disse...

Depois que voce disse: 'pode nao emanar do estado', eu desisto da conversa. Todo o ponto que estou tentando fazer eh que este tipo de lei absurda EMANA DO ESTADO e NAO DO POVO. O individuo nao pode calar o outro, portanto cabe a pergunta, como pode o individuo delegar este poder?

E voce acabou de defender a nao-igualdade debaixo da lei. Voce disse que a lei deve ser diferente para cada individuo baseado no tanto que este produz para a sociedade. Para voce "xingar um burgues" e "xingar um pobre" sao coisas"diferentes". Voce eh o maior racista daqui, provavelmente mais racista que a Mayara, pois ao contrario dela, voce nao estah fazendo uma piada.

Pensamentos como o seu justificam a situacao historica do Brasil.

Jânio disse...

OK Saul:

Só não acredite demais em sua ideologia e não faça como a Mayara, apesar de o Brasil ser um país de m*****, as vezes a lei funciona, não como deveria, mas funciona.

... e se a situação continuar como está, a burguesia vai descobrir que tem razão, vamos deixar de ser gente e partir para a ignorância.

Caso você não tenha notado, as novas gerações não estão satisfeitos com filas de hospitais e lotação dos desesperados, além de uma insegurança mínima, portanto, não será igual não.

A lei da igualdade, que perdurou por 500 anos já provou que não funciona, então, vamos tentar a lei da desigualdade.

Pela lei da desigualdade, cada pessoa vai ter de lutar por si mesmo, ao invés de ficar esperando que o Estado venha ajudá-lo. Aliás, essa história de Estado é conversa para boi dormir, nem o Sarney e Maluf acreditam nisso, quem faz a lei é a participação do povo.

Se o povo não se manifestar, não denunciar, pessoas como a Mayara vão continuar fazendo as suas piadinhas com quem não pode se defender. Não, meu caro, eu não tenho pena de burguês, eles podem muito bem se defender sozinhos.

... e eu nunca faço piadinhas com isso, até porque a Mayara é advogada e poderia me processar :)

ABS

Anônimo disse...

O bom mesmo é quando vão pra fora do Brasil e assim que pisam na Europa sentem na pele o que é ser discriminado. Lógico que promover discussöes sobre o assunto é o primeiro passo pra algum tipo de mudanca, mas nada como um gostinho do próprio veneno pra abrir os olhos ou pelo menos humilhar essa gente.

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Você tem razão, esse é o melhor tipo de lição que uma pessoa pode receber da vida.

Lembrando que a discriminação do brasileiro, lá fora, vai além do racismo, verificado aqui. Na realidade, os estrangeiros tem uma visão tão horrível dos brasileiros, que se eles tivessem um pouco mais de sensibilidade, nem sairiam daqui.

A marginalidade e a mania que nós brasileiros temos de aceitar bandidos por aqui, é constrangedora, isso sem falar da PPP.

ABS

Anônimo disse...

eu acredito que todas as pessoas que sofrem preconceito lá fora,sãos as mesmas que cometem os mesmos aqui,quanto essa coitada,não vou nem comentar.

Larissa disse...

Antes dela criticar pessoas que ela nem conhece , ela deveria olhar para si própria . Ela Chamou o povo nordestino de vagabundo mais ela não sabe o quanto agente trabalha é sofre nesse sertão . O pior é que nossa justiça é muito fraca , pagou foi liberado . Por isso que tem pessoas como ela .

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Às vezes eu penso que essa burguesia é meio sado-masoquista.

Eles vão lá fora, perdem a noção do ridículo mas sentem a força do poder do dinheiro, quando voltam, fazem a mesma coisa por aqui.

Se o Brasil fosse invadido pelos países ricos, nossos burgueses seriam os primeiros a se prostituirem, enquanto nós seríamos os escravos.

ABS

Jânio disse...

Olá Larissa:

Mayara não foi inteligente o suficiente para manter a boca fechada, não conseguiu disfarçar e falou o que a burguesia pensa. Enquanto a burguesia pensar assim, continuaremos nessa situação em que o país se encontra.

Foram quinhentos anos de capitalismo e agora vem a inevitável pergunta: Teremos mais quinhentos anos de socialismo?

Eu não defendo a desunião de classes mas, do jeito que a coisa está, é preciso que os pobres mostrem a sua força também. Se for preciso uma guerra para que eles entendam que é preciso união contra os burocratas, então haverá uma guerra.

ABS

Anônimo disse...

Acho que cheguei um pouco tarde para a discussão, mas não poderia deixar de tecer meus humildes comentários às inúmeras indagações de Saul Zulske ( seria descendente de judeus?) à Jânio referentes ao poder do Estado para punir uma pessoa por expressar o que pensa. Vamos por partes. Vivemos em uma democracia, correto? Isto significa que todo o poder emana do povo e que este poder é exercido por meio dos seus representantes, por aqueles eleitos. Quem faz as leis são estes representantes, Ok? A conduta da minha ex colega (graças a Deus!!!!) Mayara, encontra-se tipificada no Código Penal vigente, qual seja, injúria grave ( ou qualificada, salvo engano, não sou penalista). Assim, não se trata de mera liberdade de expressão. A linha entre a liberdade de expressão e cometimento de um crime pode ser tênue, devemos ser cautelosos. Não custa lembrar do holocausto. Uma elite decadente e arruinada passou a considerar os judeus como seres inferiores e passou a incentivar um grupo de desesperados e perdedores a matá-los, não afogados, mas nas câmaras de gás, fuzilamentos e torturas. Não custa nada lembrar. É isso.

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Vivemos numa democracia, sim, mas só aparentemente. Trata-se de uma farsa muito bem montada e que poderá ser copiada pelo mundo inteiro.

Um leitor da Argentina, brasileiro, naturalmente, lembrou que lá bastam dez pessoas para fechar uma rua e chamar a atenção da imprensa, promovendo mudanças. Aqui, quanto maior o número de pessoas, maior o número de policiais, inclusive, alguns baderneiros se infiltram para complicar a vida dos participantes do protesto.

Esquerda e direita não existe e há muitas possibilidades de poderes anti-democráticos, funcionando apenas quando é do interesse da elite.

Na minha opinião, foi esse ambiente que motivou Mayara a dizer o que não devia. Muita gente merecia ser punida, mas a maioria é inteligente o suficiente para disfarçar suas palavras.

Vivemos numa sociedade onde as mídias de massa separou a população em pequenos grupos de minorias, isso faz com que todos nós sejamos vistos como pequenos, quando na verdade somos grandes.

Não deveríamos nos preocupar apenas com nossos interesses, toda a sociedade deveria ser ouvida, censurar a internet, por exemplo seria uma forma de evitar essa união das pessoas.

Se a Mayara conhecesse o nordeste, saberia que há muita gente rica e culta por lá mas, infelizmente, muita gente é criada em creches e passa a vida fechada em apartamentos, isso provoca um distanciamento ainda maior entre os pobres e a burguesia.

Atualmente, a classe média alta tem diminuído cada vez mais em todo o mundo e finalmente estamos nos unindo em nossa miséria.

...mas sempre restarão pessoas como a Mayara para disfarçar a sua miséria, querendo avisar que não é nordestina e cometendo o erro de dizer o que a classe média alta pensa.

ABS

Anônimo disse...

Bom dia
Acho que todos nós por força de maus habitos até herdados temos nossos momentos de furia preconceituosa ora conta a ,ora contra b e assim por diante ,ela foi infeliz em seu comentario e do ponto de vista juridico isso é insuflar o preconceito nas pessoas,não acho que prisão seja a melhor saida para o caso e sim uma reeducação e conscientização ,acho que o nordestino que migra sofre muito como qualquer pessoa que tem de sair de seu local para sobreviver longe dele e suas raizes,porém penso que cada estado ou país tem de zelar pelos seus ciadadãos e trazer melhorias para evitar as migrassões em massa inchando os grandes centros urbanos ,venham de onde vierem essas pessoas mesmo que sejam trabalhadores e ajudem o desenvolvimento como os nordestinos o fizeram com certeza

Anônimo disse...

bom dia
a declaração da mayara foi estupida tanto quanto a de certos nordestinos e mineiros sobre os paulistas ,já ouvi dessas pessoas que nós daqui somos preguiçosos e só eles trabalham e que ergueram essa metropole ,não foi bem assim ,mas devemos muito ao povo nordestino como eles nos devem tb ,e não podemos ofender a ninguem para não sermos ofendidos ,lembrando que a frase foi dela e não da classe média ou alta ,eu sou descendente paterno de judeus que é sem duvida um povo odiado bem mais que negros ou nordestinos ou alemães ,já ouvi muita coisa tipo hitller deveria ter exterminado todos , simplesmente nem levo em conta e pronto,cadeia é lugar pra criminoso e está faltando vagas ,uma pena alternativa e a vergonha que ela passou já devem ensina-la a não falar bobagens.

Jânio disse...

Olá Anônimo 1:

Se a Mayara não fosse advogada, eu poderia até imaginar que ela não é bem educada, mas não é bem assim.

Não há prisão para quem pode se defender no Brasil e essa nova geração de filhos mimados faz o que quer.

Isso só tende a piorar até virar uma guerra.

ABS

Jânio disse...

Olá Anônimo 2:

Os judeus já foram muito odiados, principalmente por serem uma comunidade fechada, mas não vejo isso assim, hoje.

Eu vejo esse preconceito contra nordestinos, como um preconceito contra pobres, já que a maioria dos nordestinos daqui são pobres, entretanto, e isso piorou durante as eleições, quando a classe média alta descobriu que os pobres estavam fora de controle, disposto a votar na esquerda política.

ABS

Anônimo disse...

O ano era 1983 e era meu início na escola primária. Durante toda a minha infância, fui chamado de rato branco por crianças pardas e escuras.

Existe preconceito racial de grupos não-brancos contra brancos, e ninguém "debate" isso. Talvez porque nós brancos sejamos a maioria, ou pelo menos somos os que temos mais poder aquisitivo.

Mas eu creio que os que não são brancos, não estão contribuindo nada para que a situação na sociedade mude.

No mundo selvagem que vivemos, basta você ser a minoria em qualquer lugar que será discriminado. E não é por ser negro que vai ser santo em todos os momentos.

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Discriminação nunca é bom e não deveria ser tolerada, entretanto, discriminação contra os brancos não é muito comum. Talvez a sociedade tenha encontrado uma maneira de convencer os brancos que eles são bonitos, por isso eles estão sempre em vantagem monetária.

Não, os brancos não são maioria e nunca irão ser, pelo menos no Brasil, não. Talvez sejam a maioria em algumas regiões da Europa, como benelux e escandinávia.

Curiosamente, essas regiões são mais desenvolvidas, tem melhor distribuição de renda, educação, etc.

Olhando para o nosso passado e presente, o que podemos ver são negros em situações precárias. O que queremos não é o separatismo, mas que pelo menos haja mais humanidade entre as pessoas.

A "maioria branca" conseguiu convencer a todos que o mulato é branco, moreno é branco e o árabe é branco, mas essa é só uma maneira de criar a sua maioria. Na hora de separar as riquezas, o mulato será negro, o moreno será rebaixado e o árabe será um terrorista.

Além disso, para terem um controle ainda melhor, separam as mulheres, idosos, crianças, gays e lésbicas, etc.

Concluindo: Tudo depende dos interesses, hora e lugar em que você está. Com certeza a política é o pior lugar, em qualquer momento.

ABS

Jânio disse...

Ooops...

Faltou lembrar dos pobres nordestinos.

ABS

Anônimo disse...

Caro Janio,

No meu ponto de vista, os brancos caucasianos são a maioria. Não estou falando de alemães. É verdade que acima do Sul, a pele escurece mais e mais e assim vai.

Eu não confio nas estatísticas encomendadas por pardos para "enfeitar" o Brasil como se fosse um país avassaladoramente negro. Vá até o Caribe para você ver o que é maioria negra. Para mim, o Brasil é mandatoriamente ainda branco com uma bela quantidade de pardos.

Na verdade o Brasil tem uma grande quantidade de pardos que estão divididos entre pensarem que são brancos ou negros.

Pobreza não é desculpa para ninguém roubar, matar e destruir. E o que eu estou vendo é que a grande maioria de pardos estão roubando, matando e destruindo. Então, quero que os pardos se "orgulhem" do serviço que estão prestando à comunidade.

Alguns comentários contra o seu post são pertinentes, pois existe um certo ressentimento nas suas palavras, o que justifica mais ainda a existência do racismo contra pardos e negros.

Jânio disse...

Olá Anônimo:

Os comentários mais racistas eu apaguei, mas eu não tenho medo de comentários racistas moderados, afinal, não podermos ser hipócritas.

Há racismo no Brasil na medida em que algumas pessoas criticam os negros e os negros criticam os brancos.

Se a maioria fosse pobre e ariana, ou do eixo do mal - termo da Segunda Guerra mundial que eu prefiro não explicitar - e a minoria fosse negra e elitizada, aí, sim, poderíamos dizer que o racismo é negro, dizer que o racismo seria branco, seria covardia.

A questão da classe social é muito mais importante que o racismo.

Ninguém diz, parabéns por você ser negro, você vai dirigir a empresa agora. Nem mesmo na Bahia, onde a maioria absoluta é afro-descendente.

Os poucos que conseguem chegar ao topo tornam-se tão racista quanto os brancos, mesmo na Bahia.

Agora, veja só o caso do Obama, nos EUA, ele não faz jus à suas origens, ele pensa como um branco.

Isso acontece também com as mulheres que chegam ao topo, como a presidente nomeando só mulheres, como se a maioria dos executivos fossem mulheres.

Ninguém está pedindo para que a presidente arrume emprego para suas amigas, não é assim que se defende a igualdade sexual.

Quanto a violência, eu reconheço que há mais negros, inclusive confundindo-se classes sociais e raça, mas o Brasil mudou muito. Os responsáveis pelos marginais pobres e negros são marginais brancos e ricos, como Maluf, Sarney, Barbalho, ACM. Lerner, Belinatti, Dantas, JR Arruda, Cachoeira, PC Farias, etc.

Algumas pessoas preconceituosas podem não acreditar, mas há nordestinos ricos e brancos, e eu não os defendo, se forem corruptos.

Se a situação continuar como está, a guerra social, racial, sexual, etc., vai continuar. No caso da guerra político-social, que esteve com os brancos ricos durante os últimos quinhentos anos, deverá continuar com a esquerda mais uns - Cinquenta? - anos.

Democraticamente, será difícil tirar o socialismo do poder, até porque a direta brasileira também é socialista, racista, discriminatória, preconceituosa, etc.

ABS

Klaus Vargas disse...

Nâo entendi por que a condenação tão dura para Mayara. Vejam só a opinião da Corregedoria do Ministério Público Federal para quem pede linchamento de paulistas:

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxmYWJpMDEwMjAwOHxneDo0NGMwN2Q5YmIzYzIyMGI2

Não vai aprovar essa postagem, né autor do blog?

Jânio disse...

Olá Klaus:

Obrigado pela colaboração.

Apesar de eu ainda não ter identificado as palavras e o que ocorreu, vou ler melhor o texto, adiantando que discriminação e preconceito não devem ser tolerados em hipótese alguma, seja contra paulistas, seja contra nordestinos.

A anti-cultura da discriminação criou preconceitos onde o negro é considerado feio e o branco bonito, assim, chamar um negro de negro e um branco de branco, acaba tendo uma repercussão diferente, apesar de ser o mesmo tratamento.

Eu, pessoalmente, considero o termo negro normal, ou seja, o negro deveria ter orgulho e defender esse termo, mas tudo depende do contexto.

Não se pode mandar matar nordestinos afogados, nem em piadas. Já no caso da polêmica do Rafinha, por incrível que pareça, há uma explicação para o seu politicamente incorreto, apesar de eu não ter gostado.

Vou analisar melhor o documento acima.


ABS

Wolfherz disse...

O texto é realmente bem preconceituoso. Primeiramente, uma garota suburbana de classe média não se encaixa no conceito geral de "burguesia". E mesmo que fosse rica (não é), classificar a mentalidade das pessoas conforme sua renda é sem lógica em qualquer caso, seja um rico com aversão a pobre, seja alguém gritando que burguês não presta. Em ambos os casos, classificam seres humanos de forma materialista e medíocre só pela renda.

Jânio disse...

Olá Wholferz:

O termo burguesia evoluiu muito ao longo dos séculos, designando, hoje, as pessoas que formam, ou que deveriam formar, opinião. Designa também as pessoas que controlam as mídias, pessoas que empregam pobres e tem o poder de mudanças, satisfazendo os seus próprios interesses.

Agregado a esses infelizes, estão os pobres que se comportam como tal, ou seja, uma pessoa que gasta todo o salário de um mês para comprar uma calça igual aos seus amigos ricos.

Um burguês pobre compra um carro, para arrumar uma namorada, casa, em seguida vende o carro.

Esse jogo de aparências pode levar uma pessoa racista a imaginar que todo nordestino é pobre, baseado em seu grupo de amigos.

A maioria dos burgueses, ricos modernos, é inteligente o suficiente para disfarçar os seu lado podre, mas há sempre um idiota para dizer as palavras erradas.

Estamos numa guerra pelas quireras, onde a classe média baixa prefere se aliar a classe média alta, ao invés de se aliar aos pobres. Isso chega a um ponto em que dez pessoas controlam 190 milhões de telespectadores.

ABS

T. R. Macêdo disse...

Ela merecia! Pra quê tanto preconceito? Isso é coisa de gente ignorante. Ela mereceu muito isso. Sou nordestina e sei como é passar esse tipo de preconceito.


https://bar-do-bastardo.blogspot.com

Jânio disse...

Olá T R Macedo:

O maior causa do preconceito, além da falta de educação que leva a ignorância, é a falta de convivência.

Na medida em que a aristocracia vai se fechando em seus castelos e shoping centers, rodeados pelos burgueses bajuladores, eles passam a estabelecer uma nova ética, uma ética só deles. Influenciada por essa ética, num ambiente em que a justiça é feita através do dinheiro, algumas pessoas perdem a noção do ridículo e cometem esses crimes estúpidos, depois passarem anos estudando... direito...

ABS

Anônimo disse...

Na minha opinião, ela deveria aprender a escrever. Ela cometeu vários erros gramaticas em suas postagens. Isso não vem ao caso, mas ela que enfatizou várias vezes que os nordestinos são burros e por ela ser uma estudante de direito ela deveria ter ser mostrado superior, coisa que ela não é e nunca será, nunca vi um nordestino ser preconceituoso com os sulistas e alguns (não estou generalizando, tem muitos sulistas que respeitam)tem esse tipo de preconceito com os nordestinos. Sou nordestina, com muito orgulho! posso até sair do nordeste, mas o nordeste nunca sairá de mim. Ah, mais uma coisa, nós nordestinos elegemos a Dilma? Ah, então porque o pessoal da terra dela, elegeram o Tiririca? Eis a questão!

Jânio disse...

Olá Anônima:

A realidade é que tem muito nordestino(a) em São Paulo, e nem todos são pobres, atacar pobre é muito muito fácil.

Quando eu escrevi o post do homem mais rico do mundo, eu mostrei São Paulo como uma país de primeiro mundo, errei feio. Pensando melhor, com a ajuda dos leitores, pude refletir sobre os problemas de infraestrutura, criado pela falta de justiça e promovida pelas nossas autoridades federais.

São Paulo ´pode ser o estado mais rico, mas os problemas não são menores.

Sim há muita pobreza em São Paulo, como em todo Brasil, pobres que tem preferido votar nos partidos mais a esquerda, apesar dos escândalos.

Essa conspiração racista saiu como o nariz da elite. Eles devem ter feito muito isso durante os quinhentos anos de história do Brasil, mas isso não funciona mais.

A eleição de Tiririca foi em parte por protesto, mas ele era popular também. Já no caso da Dilma, ela se elegeu graças aos programas de governo do PT, que mesmo sendo corrupto, foi melhor que o PSDB, que não mostrava o que aprontava, era uma corrupção dentro da lei.

O PT está tão desgastado quanto o PSDB, apesar das pessoas gostarem de ver a polícia federal trabalhando, assim como a liberdade de imprensa, entretanto, talvez seja a hora de trazer alguém novo.

ABS