segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Aparências reais



Ontem eu falei sobre aparências virtuais, no Made In Blog, hoje, no Buscando Mudanças, eu vou falar sobre as aparências do mundo real.

A aparência é um tema de infinitas possibilidade e falar sobre ela é irresistível.

Antes de me decidir  sobre o tema, eu fiquei pensando como corremos o risco de viver de aparências, naturalmente, sem a percepção de que isso esteja ocorrendo, por exemplo:

Uma pessoa triste e deprimida, tende a valorizar imensamente a felicidade, e eu tenho notado isso na vida real e até na vida virtual. Na vida paranormal, ainda não, mas é depois da morte que a conciência pode ficar ainda mais pesada.

Ocorre o oposto com pessoas felizes e o exemplo mais claro são os rebeldes sem causas.

Assim, uma pessoa demonstrando felicidade, em seu interior pode estar muito triste, como ocorreu recentemente com Leila Lopes e como ocorre com alguns amigos meus também. Associando ao caso Leila Lopes, eu cheguei a escrever sobre o Miss Brasil, onde um jogo de interesses pairava no ar.

Até os cinco ou seis anos, aprendemos o básico para a vida, inclusive muita coisa que não queríamos, como aprender a falar, por exemplo. O motivo de nos recusarmos a falar, até os cinco anos, deve-se ao fato de que a fala torna nosso pensamento programado e nos prende aos sistemas derivados da fala.

O pensamento programado, induzido pelas palavras, possibilita-nos evoluir como pessoas, mas o preço que pagamos por isso é a nossa liberdade de pensar, agir ou falar. Depois de entrarmos no programa de palavras, seguiremos um padrão, com ou sem os protocolos impostos pela sociedade.

Vejam o caso de Osama Bin Laden:

Osama Bin Laden foi um jovem idealista rico, tinha tudo, mas não estava satisfeito. E foi no estilo "american life" em que ele se realizou.

Durante muito tempo arriscou a vida ao lado dos americanos, até que sentiu que estava sendo enganado, mudou de lado e mostrou toda a fúria de um idealista enganado. Isto é o que eu penso, mas eu posso estar enganado.

O fato de o corpo de Osama Bin Laden não ter sido mostrado, deixou a suspeita de que havia duas hipóteses: Osama Bin Laden poderia já estar morto, o que é pouco provável, já que seus vídeos eram exibidos o tempo todo, a não ser que os vídeos estivessem gravados antes dos atentados; há também a hipótese de que ele não tenha morrido, uma hipótese muito mais convincente.

Se Bin Laden estivesse trabalhando para os próprios Bilderbergers, sua morte não poderia ser real, mas ele também nunca mais poderia aparecer. A morte real de Osama Bin Laden faria com que a elite da organização ficasse desmotivada e fora do controle dos bilderbergers, portanto perderiam um grande aliado  em seus objetivos, propagar a guerra e a indústria bélica.

Eu fiquei impressionado ao saber que um dos maiores financiadores do nazismo poderia ter sido um judeu, Rothschild, tendo seus cinco filhos se espalhado por toda a Europa, controlando toda a riqueza da Terra, pelo menos até agora. Perto dessa família, a família Bourbon seria sem terra.

Esses casos mostram como um programa de palavras pode controlar a nossa percepção, através das mídias de massa, e isso só se torna possível após os cinco anos, quando aprendemos a falar. É como se sofrêssemos uma lavagem cerebral.

Antes que o programa de palavras seja instalado em nosso cérebro, nossa inteligência é muito maior, prova disso é que ninguém, até hoje, conseguiu dominar as palavras, em idade avançada. Antes dos cinco anos, nossa mente obedece o instinto primário.

Os epilépticos apresentam um transtorno - ou seria apenas sensibilidade? - que acelera o pensamento, durante suas crises de ataque. O estudo da epilepsia levou uma especialista a teorizar o despertar para a superconsciência.

Durante uma crise epiléptica, o pensamento acelera numa velocidade tão grande que a pessoa quase perde a consciência - a hipótese de fuga ao programa de palavras não está descartado - e eu já notei que a epilepsia é própria de pessoas sensíveis.

Nós sabemos que o tratamento de choque já foi utilizado em hospitais psiquiátricos, e que esse tratamento é considerado criminoso, já que ficou provado não ser eficiente. Não podemos tratar doenças mentais  com esses métodos, afinal, algumas perguntas básicas ainda não foram respondidas, como "O que é ser louco e o que é ser normal?"

Tudo o que sabemos, contraria as teses preconceituosas do passado.

Pessoas muito sensíveis tem ataques derivados de sua própria sensibilidade e podem ser comprovados em pessoas que desafiam o sistema, a ordem natural das coisas, ou não se encaixam aos padrões pré-estabelecidos através dos programas de palavras.

É durante a noite que a mente revela seu lado mais obscuro, através de nossa conciência, subconciência ou semi-consciência. Durante a noite, nossa mente em repouso parece se rebelar, demonstrando o nossa natureza primitiva, primária, básica, através de sonhos lúcidos, sonhos, pesadelos, sonambulismo, terror noturno, etc.

Nem quando acordarmos estaremos livres dessas revelações, ainda estaremos sujeitos a ver fantasmas, assombrações e o pior de todos nossos medos, nossa própria natureza.

Bons exemplos de rebeldia não faltam, mas a rebeldia não é necessariamente sinônimo de moral, ética:

São exemplos de rebeldes sistemáticos: Epilépticos, autodidatas, ambidestros, loucos, etc.

Entre os membros assíduos estão: Bill Gates, Júlio César, Alexandre o Grande, Van Gogh, Napoleão, Sócrates, Rei Saul, Lênin, etc.

Apesar de sua genialidade, nenhum deles teve habilidade para controlar o sistema padronizado, não de maneira sensata.

O fim das aparências

O início das aparências

Percepção do nada

A natureza obscura da mente humana


Osama Bin Laden

Epilepsia - Quando a mente tem um ataque


O despertar para a superconsciência


Sonhos lúcidos


Sonambulismo


Autodidata - Faça você mesmo

Ambidestro - Com os dois lados do cérebro

By Jânio
Postar um comentário