sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Pessoas iguais



A arte de ser popular é um conjunto de pequenos fragmentos de outros textos, como "A arte da cópia", de certa forma significa quase a mesma coisa.

Acontece que já passei dos 700 artigos publicados, assim, muitas citações passam a ser rastreadas pela minha mente, conscientemente ou não.

Notem que não estou falando de simples posts, eu não sou tão criativo assim.

Para criar posts, é preciso ser muito criativo, isso pode gerar até cinquenta mil visitas em um único dia, e olha que eu estou falando de blogs que geram em média 50 visitas ao dia.

Blogueiros oportunistas geralmente copiam os posts mais criativos de outros blogs e publicam em agregadores virais, isso lhes dá muita popularidade. Curiosamente, alguns blogueiros profissionais também copiam posts, mas esses não precisam de visitas pois já são populares, por isso, nem sempre copiam de maneira oportunista, e tem mais, reconhecem a autoria do texto.

Há mais ou menos um ano e meio, presenciei uma discussão a respeito de um texto meu:

"Eu não acredito em direitos autorais. Nossa mãe nos ensina a falar, nossa professora nos ensina a escrever, os livros nos ensinam a pensar, como podemos achar que temos direito autoral de alguma coisa.

Os direitos autorais são uma questão de reconhecimento e de respeito, no dia em que entenderem isso, teremos um mundo melhor."

A discussão citava ainda um outro texto meu:

"Eu não vejo a opinião como um ponto de vista. Um ponto de vista é pessoal e surge a partir de uma experiência pessoal, enquanto a opinião é pública.

É possível formar opinião pública, mas um ponto de vista é pessoal. Formar opinião leva a suposição de que a idéia é pública."

Pelo menos foi isso que eu entendi, quando Stallone fez declarações polêmicas sobre o Brasil. Aquele era o seu ponto de vista, a partir de sua experiência nos morros do Rio.

Ao invés de aproveitarem isso para criticarem o governo, atacaram o próprio Stallone.

Eu ainda chamava a atenção para o fato de burgueses dizerem ter opinião pessoal sobre algo, ora, se todo burguês pensa exatamente igual, como poderia ser uma opinião pessoal.

Em "A arte da cópia", observei o fato de diretores famosos, como Brian de Palma, serem acusados de copiarem autores como Alfred Hitchcock.

Será que eles não tinham confiança em seu próprio talento, ou será que era a mesma produtora e, por motivos comerciais, copiavam sequências inteiras, barateando custos e garantindo sucessos?

A política é um exemplo de associação de imbecis, onde um monte de otários fica esperando um determinado projeto, isso quando vem, para votar às cegas, sem ler ou entender os objetivos do projeto.

O político tem de pensar igual ao burguês para se eleger. O burguês, que também não pensa, segue uma pessoa que acha ser mais sábia.

Assim, todas as pessoas se tornam umas iguais às outras, esperando pelo próximo programa que deverão obedecer, como máquinas programadas.

Qualquer cidadão que pense por si próprio, será vítima de preconceitos e se verá contra toda a sociedade e seus pensamentos terceirizados.

O pior acontece quando algum burguês é vítima do próprio sistema. Sua primeira reação será de indignação, algumas horas depois, voltará a velha rotina programada.

By Jânio
Postar um comentário