sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O brasileiro vai a guerra




Há muito tempo atrás, quando eu fui me alistar, um capitão me perguntou se eu queria servir no serviço militar. Naquela época todos eram dispensados, com raríssimas exceções.

Eu disse ao Capitão que se houvesse uma guerra na qual eu acreditasse, eu participaria, independente de servir ou não.

...mas você tem de se preparar no exército - avisava ele.

- O senhor está enganado Capitão - respondi - se um dia houver uma guerra de verdade, os melhores homens para enfrentar essa guerra estarão nas favelas, trabalhando em seringais, pescando no mar, sem teto, sem terra...os professores poderão dar um curso intensivo, assim que terminarem as greves.

Há uma diferença muito grande entre serviço militar e a guerra. No serviço militar há disciplina, enquanto na guerra só há uma função, matar.

Para matar é preciso sobreviver, e é impressionante como o brasileiro aprende a sobreviver rápido.

Eu nunca assisti a nenhum combate de UFC, nem pretendo, mas acompanhando ao jornal, pude ver como é bizarro esse combate.

Curiosamente, eu já havia assistido lutas de boxe e notei que o UFC é muito menos "perigoso".

Eles sabem muito bem dos perigos do combate, por isso, as regras são muito mais rígidas. Ao menor sinal de perigo, o combate é dado por encerrado, diferente do boxe, onde o cérebro da pessoa é golpeado até que a pessoa não pare em pé.

No Brasil, o boxe sempre foi visto como uma forma de tirar as crianças das ruas, a disciplina continha a sua violência. Na idade média, as cruzadas foram utilizadas pela igreja, como uma forma de controlar o lado selvagem dos homens.

Chegamos ao auge dessa bizarrice, chegamos ao UFC.

Um combate de UFC mostra uma arte marcial que os brasileiros já dominam, o Jiu jitsu, combinado com boxe e outras técnicas ainda piores. Não importa se o adversário esteja caído, o importante e dominá-lo.

Nas olimpíadas, combates violentos exigem proteção. Equipamentos eletrônicos sensíveis registram os golpes, para que os juízes possam determinar o vencedor.


Na Amazônia, já não é preciso metáforas para descrever um ambiente hostil, lá, os índios que serviram ao exército aprenderam suas técnicas, e agora fazem questão de demonstrar essas habilidades, para defender seu território. Nada mais patriótico, vocês não acham?

Quando o Governo não vê uma outra solução, ainda há o recurso de deixar os grilheiros resolverem a sua maneira, causando uma carnificina.

Muitos brasileiros defende uma revolução, mas a revolução já está ocorrendo, só precisamos abrir os olhos e ver.

O brasileiro já aprendeu a sobreviver e a matar, o brasileiro já está na guerra.

By Jânio

6 comentários:

LISON COSTA disse...

Saudações!
Amigo JÂNIO:
Interessante a sua análise.
Eu também acho que o brasileiro está na guerra faz tempo.
Quanto ao índio e ao caboclo que vivem nas fronteiras, nos rios longínquos, eles colocam em prática esta arte todos os dias. Haja a vista que precisam sobreviver. Agora, e quanto aos soldados que morrem na fronteira e ninguém sabe? Dizem, dizem eu não sei, mas de quando em quando acontece algum fatídico lá pelo lado de são Gabriel da Cachoeira AM.
Parabéns por mais uma excelente matéria!
Abraços,
LISON.

Jânio disse...

Olá Lison?

Esse é o grande problema de se ter uma mídia monopolizada, notícias como essas, sequer sabemos que existem.

Precisamos urgente de uma fonte/site daqueles lados.

Obrigado por compartilhar essa informação.

ABS

Agregador Toneladas disse...

Boa noite,

Venho por meio deste contato lhe convidar a conhecer o novo agregador Toneladas http://toneladas.blog.br/

Estaremos iniciando nossas atividades no dia 16/09 e gostaríamos de estrear com matérias do seu blog.

Cadastre-se e nos envie sua matéria http://toneladas.blog.br/usuarios/cadastro.php

Aguardamos seus links!

Atenciosamente,
Equipe Toneladas
http://toneladas.blog.br/
http://twitter.com/#!/_toneladas
https://www.facebook.com/agregador.toneladas

Sid disse...

Olá!

Ótimo post, com certeza.

Sou da corrente que observa com bastante atenção suas palavras e acrescento que uma pessoa, quintal, estado ou país nunca irá a guerra quando se está em paz.

(Mas com certeza meu sangue escorre do olho e mato no dente se for preciso).

Jânio disse...

Agregador Toneladas:

Obrigado pelo convite, iremos conferir sim.

É sempre bom ver novos agregadores surgindo e torcemos por você.

ABS

Jânio disse...

Olá Sid:

O povo precisa muito dessa garra que você tem, sem garra fica difícil manter a paz que nos é tão preciosa.

Obrigado pela participação.

ABS