quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Famílias abandonadas




Hoje, eu vi uma notícia muito interessante, relacionada ao futuro de delinquentes com menos de doze anos. Está se tornando cada vez mais comum, uma criança de dez anos roubar ou destruir propriedades privadas.

Quanto às medidas a serem tomadas, cada pessoa tem uma opinião:

Num país de disciplina rígida, como a Inglaterra, uma criança de dez anos poderia ser condenada a pena de morte, mas, depois da última polêmica, a pena de morte foi transformada em prisão perpétua.

Antes que se chegue a esse ponto, há um processo longo em internatos, abrigos para menores deliquentes ou cadeias juvenis. Casos de crianças delinquentes são raros em países desenvolvidos.

Famílias desestruturadas, como está ocorrendo no Brasil, resultam em menores abandonados ou malcriados, delinquentes juvenis. Um problema que deixa dúvidas é o que fazer com eles.

O Brasil tem duas faces, de um lado o cartão postal das grandes regiões metropolitanas, impulsionado pela classe média alta e pelo funcionalismo público de alto escalão, que detem o poder em suas mãos, do outro lado estão os favelados, pobres e classe média baixa, tentando sobreviver.

O lado mais pobre procura deixar seus filhos em creches, para que a família toda possa trabalhar. O problema é que nem todas as crianças podem ficar em creches ou escolas e, nesse caso, a sorte é lançada.

Se com uma família decente já há o risco de uma criança sair do bom caminho, imaginem uma criança sem família.

Enquanto essas crianças estão nos morros, em comunidades das favelas, não incomodam as autoridades, o problema é quando esses problemas descem dos morros.

Normalmente as crianças delinquentes, com mais de doze anos, ficam em instituições como a FEBEM, Fundação Estadual para o Bem Estar do Menor, mas como o problema está aumentando, querem mudar a lei. Prender uma criança com menos de dez anos, seria muito bom para a alta sociedade brasileira, mais uma lei imperialista para satisfazer os ricos.

Pagar um salário mínimo para uma mãe solteira, seria um escândalo. O que ninguém imagina são as consequências na mente de uma criança, dentro de uma prisão.

Por muito menos, sociopatas como Wellington Menezes e Andrew Breivik causaram chacinas, eternizando seus nomes nas enciclopédias e livros de Direito, Sociologia, Teologia, Psicologia e outros. Essa é a glória dos desgraçados.

By Jânio
Postar um comentário