sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Inteligência artificial assusta especialistas



Especialistas em algoritmos reconheceram que estão perdendo o controle sobre os programas de computador criados por eles, isso não é de se admirar.

Programas complexos instalados em softwares de serviços gratuitos, como o Hotmail ou Facebook,  são citados como exemplos. Segundo eles, esses programas criados para rastrear o gosto do cliente, indicando-lhe produtos de acordo com a sua preferência, estão saindo de controle.

Lendo esses relatos, eu fiquei imaginando como o problema poderia piorar com a "ajuda" dos crackers.

Segundo o especialista Slavin, um programa utilizado pela Amazon, em determinado momento pareceu sair do controle. Os preços pareciam disputar entre si, e um livro chegou a ser cotado acima de 23 milhões de dólares.

Não é difícil chegarmos a conclusão de que os objetivos, aqui, estão ficando em segundo plano. Estão sendo criadas formas de se evitar que o programa trave, para isso o programa deve escolher uma ação, caso não encontre a resposta em determinado momento.

A Google já utiliza isso e há muito tempo não lemos a frase "sua busca não encontrou nenhum resultado, tente outras palavras". Hoje, o próprio programa escolhe novas palavras, baseando-se nas palavras que já foram digitadas.

Já podemos inclusive receber sugestões em outras línguas, para a alegria de quem está estudando outros idiomas.

O alerta não está restrito às áreas de programação. Como a informática está ligada a tudo, até em pesquisas  científicas do ramo da física, por exemplo, foi constatado preocupação.

Segundo os físicos, o computador tem acelerado o processo de pesquisas e descobertas, numa velocidade  em que não é impossível para o próprio homem acompanhar.

Algum tempo atrás, pude constatar um físico citando a tabela periódica e do controle que tínhamos sobre ela no passado. Segundo os especialistas, o computador poderia simular novas descobertas, mesmo sem a participação de um especialista em física, e isso é assustador.

Novas substâncias poderiam ser criadas, através de simulação, com a ajuda da tecnologia, sem que houvesse o acompanhamento de um especialista para calcular os perigos que ela representa.

A bomba atômica e várias outras armas químicas são exemplo do que um erro pode provocar. A mente ambiciosa dos poderosos  pode imaginar ganhos infinitos, sem levar em consideração o preço que poderemos pagar.

"Estamos escrevendo coisas que não podemos mais ler. Nós criamos algo ilegível e perdemos a noção do que realmente está acontecendo no mundo que criamos", alertou Slavin.

Segundo Slavin, em 6 de maio de 2.010, foi registrada uma quebra-relâmpago na bolsa de Wall-Street, onde 70% das transações são executados pelos algorítmos. Depois desse fato, foram tomadas medidas de controle, para o caso disso vir a ocorrer novamente.

Na realidade, quando há dinheiro envolvido, sempre há soluções, sempre há uma lei capaz de superar a ética e até os erros das máquinas. Já nos outros casos, infelizmente não há essa preocupação.

Desde criança eu sempre tive pânico de máquinas, o motivo era a dificuldade que eu tinha em aprender a matemática. Quando eu via uma calculadora processar uma operação, através de um simples clique, isso me deixava muito confuso.

Eu ficava pensando, ou essa máquina é muito mais inteligente que eu, ou é a minha inteligência que está deixando a desejar.

Quando eu via alguém processando uma operação, com a ajuda de uma máquina, eu sempre perguntava: O senhor não acha melhor fazer uma conta manual não? Só para conferir.

Depois de ver o comerciante processar a operação, através de uma máquina eletrônica, eu fazia questão de executar a operação matemática em casa, manualmente.

Quando comecei a estudar contabilidade, eu tive de enfrentar essa fobia. Foi pior quando eu comecei a trabalhar na área.

O trauma poderia até ser menor, se os estagiários não recebessem sempre uma máquina com defeito. Foi quando eu pude finalmente constatar que eu estava certo - as máquinas conspiram.

Brincadeiras a parte, a inteligência artificial não é um problema de ficção, e a solução também não poderá ser.

Até que ponto poderemos confiar nas informações que recebemos? Até que ponto poderemos confiar no piloto automático?

Os acidentes aéreos sempre são acompanhados de mistérios e terror, deixando claro que a tecnologia não é nada perto das forças da natureza.

...e por falar em acidentes aéreos e natureza, isso me faz lembrar do triângulo das bermudas, onde as superstições e os mitos se confudem com a realidade, um convite irrecusável para uma boa reflexão e uma oração, antes de dormir.

By Jânio
Postar um comentário