terça-feira, 30 de agosto de 2011

Percepção do nada




Recentemente, cientistas vanguardistas estiveram envolvidos com uma maneira bastante peculiar de produção de alimentos, a impressora de alimentos, desenvolveram também um chip para controlar o cérebro, supostamente seria usado para o tratamento de doenças mentais, mas a mais surpreendente das invenções, foram as câmeras que enviam imagens ao cérebro, através da língua, muito útil para os deficientes visuais.

Foi como se num curto período de tempo, o homem houvesse despertado para o futuro, deixando perguntas no ar: Será que o homem conseguirá se adaptar aos novos tempos? Estará disposto a pagar o preço por essa adaptação?

Uma alimentação alternativa poderia satisfazer o nosso intestino preguiçoso? Quais são os limites para o controle de nosso cérebro? As imagens enviadas ao cérebro poderiam ser manipuladas?

Naturalmente, polêmicas e preconceitos não devem parar os avanços da tecnologia, prevalecendo o livre arbítrio, quanto ao uso dessas tecnologias.

O que eu observei, foi que pela primeira vez na história, o homem pensou de maneira coletiva, como povo e para o povo. Antes disso, o povo, pobre, era lembrado apenas para servir de cobaia, num processo em que ele, o homem, vinha depois do rato, nos testes para o desenvolvimento de novos medicamentos, apenas para citar um exemplo.

O homem começa a se ver de maneira primitiva e pouco inteligente, mais de dois mil anos depois de sócrates concluir "Só sei que nada sei" ou de Jesus cristo afirmar "És pó e para o pó retornarás".

Antes disso, haviam movimentos voltados ao conhecimento, mesmo em épocas onde os supostos bárbaros reinavam quase absolutos.

O Oriente apresentava uma maneira quase artística de escrita, o mesmo ocorria no Egito e na região entre os rios Tigres e Eufrates. Enquanto isso, o povo também tinha uma forma popular de escrita.

Qual era a melhor forma de escrita?

Com o tempo, as formas vulgares de comunicação adquiriram fluência e sofisticação, provando serem muito mais eficazes.

O inglês passou de tribal a língua universal, sem nenhum processo complexo de desenvolvimento, enquanto o sofisticado latim desaparecia do mapa. Ocorreu isso com a economia chinesa também, eles provaram que não seria preciso ter uma língua universal para dominar o mundo, apenas entender e dominar o povo.

...mas é o Brasil que mostra a forma mais simples de enfrentar uma crise, sendo auto sustentável.

Voltanto dezenas de milhares de anos no tempo, talvez centenas de milhares, imaginamos um homem balbuciando suas primeiras palavras.

De onde teriam vindo esses seres tão complexos e misteriosos, cujas lendas os enaltecem de maneira tão bela, mesmo com uma natureza tão contraditória.

Seriam os novos homens apenas experimentos de laboratório, criado por povos mais sofisticados para sobreviver num mundo selvagem?

Teria a inteligência capacidade de possuir um corpo animal, passando através dele por um processo de fortalecimento energético, cósmico, necessário para seguir a sua jornada pelo espaço, ou teriam essas entidades, que ocupam o nosso cérebro, vindo de uma outra dimensão, chamada pela Bíblia de eternidade?

Isso são apenas especulações desajeitadas, feita por um ser que não sabe nada sobre si mesmo, exceto pelo que dizem os livros sagrados.

O fato é que aqueles seres, balbuceantes, procuravam encontrar uma nova forma de interação, muito mais importante para o seu desenvolvimento que os sofisticados computadores de hoje, que tomaram o lugar dos computadores de grande porte, mas que já são ameaçados por tablets, muito mais simples, porém mais prático também.

Enquanto balbuceavam, aqueles seres primitivos procuravam uma forma de acelerar o seu desenvolvimento, procuravam pelo pensamento coletivo, que na verdade era o conhecimento alheio. Isso nos tornou ambiciosos, pois sabíamos que, com esses conhecimentos, teríamos o poder.

Surgiram, nessa época, uma forma bastante peculiar de roubo, pelo menos para a época, o roubo de informações, conhecimentos. Informações que outras pessoas tinham descoberto, ferramentas que outras pessoas tinham criado, pensamentos alheios.

Tudo muito fácil, não é mesmo? - Isso se as pessoas dissessem tudo o que pensam, sabem ou descobrem, mas a realidade não é bem assim.

Uma pessoa inteligente nem sempre é ambiciosa, nem sempre tem os mesmos valores, nem sempre pensam iguais. Aqui começam os mistérios.

Nem sempre é preciso falar o que se sente, isso é fato comum entre as mulheres e outras pessoas sensíveis.

...ao tocar o peito (coração) e mexer os lábios, uma outra pessoa, tão sensível quanto, pode entender exatamente o que a primeira está pensando. Se não entender, o que é raro, pode resultar numa grande confusão.

As mulheres conseguem falar muitas palavras sem emitir nenhum ruído, e eu não estou falando de mímica, uma outra ótima forma de se expressar, estou falando de leitura dos lábios, ou até leitura de pensamento mesmo. Não é à toda que o sexto sentido é atribuído à sensibilidade das mulheres.

Há outras formas de comunicações muito curiosas.

Aos onze anos, eu achava que Walt Disney era o símbolo da perfeição, até conhecer uma crítica de arte. Essa pessoa me abriu os olhos para uma nova forma de expressão, a expressão através da pintura, essa era apenas uma das formas alternativas de expressão através da arte.

A arte apresenta várias formas de expressões, desde uma interpretação dramática, passando pela pintura, escultura, etc., poderíamos dizer até que nada nesse mundo tem importância, se não for feito com arte.

È possível escrever dezenas, centenas e talvez até milhares de histórias, através de uma única pintura, devido as mensagens passadas por ela, mensagens que constituem uma ótima forma de expressão.

A própria escrita também apresenta a sua arte, uma forma criativa de expressar o que ninguém antes havia notado, ou sentido. Isso sem falar nos textos codificados, mensagens sublimares, etc.

O homem sente necessidade de se expressar, e quando isso lhe falta, pode enlouquecer. Pode se expressar com aves, animais e até com a natureza, só não pode ficar sem se expressar.

Há momentos em que o homem entra em contato com outra dimensão, rompendo as barreiras do tempo e do espaço, mergulhando em suas orações reflexivas, espirituais, demonstrando um controle quase absoluto de tudo, nesse momento o homem se expressa com todo o universo.

Há homens portadores de conhecimentos únicos; há homens que já viram o que parecia impossível e, por parecer impossível, negam-se a revelar. Alguns homens viram e presenciaram fatos que se tornaram ficção e, pelo fato de toda ficção ser baseada na realidade, a ficção tornou-se assustadora, fantástica.

By Jânio

Postar um comentário