quarta-feira, 25 de maio de 2011

Barack Obama e a questão palestina




Barack Obama passa por uma tremenda "sai justa" nos EUA, ao ver Benjamin Netanyahu de Isrrael ser aplaudido de pé. Eu confesso que eu não me lembro de alguém tão influente assim, desde Mikhail Gorbachev.

Segundo a minha Teoria de Bêbado, os conflitos e mortes na Faixa de Gaza só irão diminuir quando os Palestinos tiverem o seu estado soberano.

As tradições e variedades culturais do Oriente Médio exigem um sistema político alternativo, como o sistema adotado pelos Emirados Árabes, por exemplo.

É preciso parar de barrar as tradições e culturas do Oriente Médio, em nome dos interesses capitalistas. Qualquer pessoa que conheça os livros sagrados orientais, sabe que esses povos são um grande exemplo de comunidade, são capazes até morrer por isso.

Israel é uma questão de honra para os EUA, isso porque faz parte de um passado americano glorioso, a única guerra que os americanos "acertaram".

Ironicamente, depois de setenta anos, a questão palestina se tornou mais importante que a questão israelense. É uma questão que precisa, e já devia ter sido resolvida.

Assim como a TV é a principal ferramenta de divulgação política no Brasil, nos EUA é o cinema de Hollywood quem se encarrega dessa "missão".

Sendo os maiores produtores do cinema de Hollywood, judeus, inclusive a nova geração, como Menahem Golan e Yoram Globus, é natural que os americanos atendam as reinvindicações israelenses.

Além de tudo isso, ainda tem a guerra política entre Democratas e Republicanos. John Kennedy foi o maior estadista democrata, criou a ideologia pacifista no partido democrata.

Para governar, Barack Obama adotou uma posição de centro esquerda, lembrando a esquerda brasileira, com direito a choro da Senhora Clinton e tudo. A direita republicana, assim como no Brasil, finge adotar uma posição pacifista.

Nesse jogo político, os republicanos vencem sem fazer nada, afinal, os americanos tradicionalmente defendem as causas israelenses, então, nada mais natural que deixar o próprio Benjamin Netanyahu decidir o que deve ser feito.

Deu certo, mas os democratas não vão chorar essa derrota, afinal, a teoria de bêbados sempre esteve certa, é preciso repartir a o litro de pinga, digo, as terras em conflitos.

Há muitos problemas para que Barack Obama resolva, passar mão na cabeça do presidente Obama, no dia do assassinato de Bin Laden, não mudou a postura dos republicanos.

Os americanos votaram nos democratas para castigar os republicanos pela crise, se Obama não resolver esse problema, e não vai resolver na maneira americana, os republicanos voltarão ao poder, e os republicanos serão ainda piores que os democratas.

By Jânio
Postar um comentário