quinta-feira, 27 de junho de 2013

Primavera Latino-americana




No dicionário dos "Donos do Mundo", tanto em árabe, espanhol ou português, "Primavera" define um processo de destruição de nações soberanas em três etapas.

Primeiro passo: identificar as queixas legítimas das populações locais  que estão prontas para explodir.

Segundo passo: provocar protestos e manifestações locais, utilizando operadores modernos de "AgitProp" sutilmente infiltrados.

Terceiro passo: enquanto a violência aumenta e sabendo que o governo não consegue pensar em nada melhor que reprimir manifestantes com balas, gás e espancamentos, que são respondidos com insultos, sofrendo alguns ferimentos, mas podendo provocar mortes nas ruas e podendo explodir em um grande pandemônio público nacional.

Objetivo: enfraquecer um país alvo, político-social e economicamente, como um aviso. Debilitar um Estado-Nacional-Soberano e debilitar a capacidade do Estado de promover o bem estar e interesse nacional, algo que os "Donos do Mundo" simplesmente odeiam.

Há queixas genuínas e demandas da sociedade em todos os países. Variam por país e região, e deve ser bem compreendida, a fim de, em seguida, 'ingenierizar' e implementar sistemas de controlo de tais conflitos sociais, como vimos no Egito e outros países árabes, talvez até mesmo na Turquia, atualmente

Tais conflitos, caso necessário, podem aumentar até se transformar em guerras civis, como ocorreu na Líbia e Síria.

No mundo árabe, os problemas são basicamente de natureza religiosa: sunitas contra xiitas, e ambos contra Israel. Há fortes apelos emocionais, uma longa história de luta contra o colonialismo e as presenças de antigas potências imperiais na região, nomeadamente a Inglaterra e a França, e suas atuais sombras decadentes na OTAN, "aliados"  dos EUA e Israel no Oriente Médio.

Na América Latina, entretanto, a religião jamais provocará grande convulsão social, e muito menos levará à guerras civis. Aqui, é a grande linha divisória social que separa os muito pobres dos muito ricos, onde o egoísmo e o materialismo tem sido incutido nas massas através do consumismo e aculturação imposta pelos meios de comunicação, que fizeram da Corrupção um modo de vida em toda a região, especialmente no Brasil, Argentina, Colômbia e México.

Esta fórmula explosiva é reforçada por cartéis administrados e financiados clandestinamente pelas grandes potências, cujo poder financeiro é reciclado pelos  magnatas e banqueiros, levando a calamidades e violência social.

O palco está pronto para pequenos exércitos de agitadores, altamente treinados e bem financiados, endurecidos por sua experiência na "Primavera Árabe". Depois, você pode disparar crises convulsivas, até mesmo guerras civis em qualquer país latino-americano.

Na verdade, a existência e permanência de governos corruptos constitui um fator chave nesta equação, o que é conseguido através do que hoje é chamado de "democracia", mas isso é apenas um sistema perverso, distorcido e prostituído, e que canaliza bilhões para financiar políticos corruptos.

"Contribuições políticas" milionárias provenientes de fontes legais e ilegais: as corporações multinacionais, bancos offshore, dinheiro público desviado, multimídia, traficantes de drogas, crime organizado e máfias de todos os tipos... eles, e não as pessoas, são os verdadeiros donos da "democracia".

Esta é a situação no Brasil, Argentina, México, Colômbia, Chile, e até na Venezuela, agora sem Hugo Chávez. A mesma história, diferentes atores.

Este crescente poder brasileiro, e do BRICS, ajuda a explicar por que, em 2008, George W. Bush reativou a Quarta Frota de os EUA no Atlântico Sul, desativada desde 1953.

O Brasil é também uma das razões pelas quais EUA/Reino Unido não podem  se dar ao luxo de perder o controle sobre o México, Colômbia, Chile e até mesmo Peru. Assim, o poder global do dinheiro garante que todas as eleições nestes países serão sempre vencidas por regimes pró-EUA. e pró-Reino Unido ... Graças a "democracia" ...

Felizmente também para os EUA, a Grã-Bretanha e a União Europeia já não são mais  molestados por Hugo Chávez, na Venezuela, e seu sucessor, Nicolas Maduro é muito mais fácil de ser isolado e controlado.

Certamente, num futuro não muito distante os donos do poder irão propor uma solução global mágica: a privatização do governo, a abolição da soberania das nações, a terceirização da administração nacional de cada país nas mãos dos poderosos consórcios "eficientes" constituídos por multinacionais como a General Electric, mineradoras como a Barrick Gold, a semente da morte Monsanto, e as empresas petrolíferas como a Exxon, BP e Shell, todos fortemente financiadas pelo Goldman Sachs, Citicorp e HSBC, ou qualquer combinação equivalente, mas de mega-corporações e banqueiros mundiais, sempre seguindo o roteiro escrito por planejadores em seu "think tanks", como a Comissão Trilateral, o Council on Foreign Relations (CFR) e do Grupo Bilderberg.

Como um ex-diplomata, Richard Gardner, escreveu em abril de 1.974, em 'Foregn Affairs', publicação oficial do CFR, "a Nova Ordem Mundial deve ser construída de baixo para cima, e não de cima para baixo... para um ataque final ao redor soberania nacional, parte por parte vai dar resultados muito melhores do que o ataque frontal à moda antiga."

Fonte: RT-TV

Protestos no Rio superam dia histórico

Manifestações brasileiras entram para a história






Postar um comentário