sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Difícil vida fácil




Não acredite se alguém um dia disser que a vida de uma prostituta é fácil, também não pense que as p****  são todas iguais.

O sonho da maioria das prostitutas é encontrar o amor de sua vida, o que não é nada fácil num bordel, e ir para longe dali.

A maioria dos gigolôs exploram as prostitutas assim como os políticos exploram a população, através de impostos, e o objetivo é o mesmo, tornar suas vítimas dependentes, frágeis e sem capacidade de reagir contra tudo o que está errado.

Foi por isso que eu aliviei a barra das prostitutas em minha teoria da PPP, afinal, as prostitutas são diferentes  de vagabundas.  Vagabundas não cobram mas, com o tempo, acabam se tornando muito mais caras.

O preconceito contra as prostitutas é tão grande que até os marginais preferem se distinguir delas.

Por exemplo: Garotas de programas dizem que não devem ser consideradas prostitutas pois elas podem escolher os clientes, não moram em bordéis, são graduadas, tem etiqueta, são prendadas, nem sempre tem gigolôs controlando a suas carreiras e vivem infiltradas na sociedade, inclusive podendo se tornar esposas de deputados, senadores, donos de TVs, empresários ou outras autoridades importantes.

Atrizes pornôs também não admitem ser confundidas com prostitutas, segundo elas, atrizes pornôs só representam - mesmo depois da declaração bombástica da estonteante Regininha Poltergeist: "Para não sentir nada num filme pornô, só se fôssemos robôs."

Eu não tenho dúvidas de que a condição psicológica de Leila Lopes tenha se agravado, sob pressão social, depois dela ter participado de duas produções pornográficas. Ela já havia participado de ensaios para revistas masculinas e, segundo ela, um filme pornô não diferenciava muito de um ensaio para revista masculina.

Através dessa declaração, ficou claro que um simples ensaio sensual pode expor, e muito, a privacidade, o pudor de uma pessoa.

Leila Lopes não tinha a sua sexualidade bem trabalhada na cabeça, ela era bem diferente de outras ex-atrizes de pornochanchada, como Gretchem, Rita Cadilac ou a própria Regininha Poltergeist.

A internet expôs de maneira explícita, muitas celebridades mundiais, mas as mulheres sempre foram as maiores vítimas, não todas as mulheres mas só aquelas que não sabem lidar com tal situação. Gena Lee Nolin (Shenna a Rainha das Selvas), Pamela Anderson (SOS Malibu), Kate Middleton e até a Xuxa, que deixa bem claro que mudou.

Alguns escândalos chegam a se tornar a manchete do dia e grandes processos de sempre, como foi o caso da Angelical Daniella Cicarelli.

Só há uma coisa pior que um grande escândalo para as vítimas, uma grande fofoca, e nós sabemos que um bom fofoqueiro sempre faz fofocas baseados nas verdades.

Nem sempre a fofoca é pior que a verdade, afinal, algumas verdades derrubam qualquer celebridade e os fofoqueiros precisam levantá-las para que elas possam dar suas entrevistas escandalosas.

Podemos notar o desejo quase incontrolável das mídias de massa em noticiar escândalos, mas o controle da sociedade sobre essas mídias é considerável.

Recentemente, uma modelo, atriz e apresentadora que frequentemente posa para revistas masculinas, comentou as fofocas sobre Gretchem e outros brasileiros que supostamente estariam levando vidas difíceis e fáceis no exterior: "A vida não está fácil para ninguém."

Nem as celebridades mais acostumadas com escândalos, escapam de ser agredidas nas ruas, devido as suas liberdades e libertinagens.

Mais recentemente ainda, uma celebridade de Hollywood desabafou: "Somos como prostitutas e somos pagos para fingir ou fazer coisas que ninguém faria, a não ser com seu parceiro."

Eu costumo dizer que nós pobres somos forçados a viver como prostitutas, servindo a quem pagar mais, apesar de ninguém ser obrigado a ceder sexualmente.

Num dos mais famosos casos policiais de todos os tempos, segundo reza a lenda, a decisão do juiz surpreendeu a todos que testemunharam tal sentença. A vítima de estupro argumentou que havia cedido depois de ser ameaçada com uma arma.

O advogado poderia ter perguntado:

... mas ele atirou?

 - Não, mas mostrou a arma para intimidar.

 - E quem poderia lhe garantir que ele iria realmente atirar? Quem poderia lhe garantir que a arma não era para sua própria defesa pessoal? A arma estava apontada para você? Você entende de armas? A arma era de verdade?

Não sei o que aconteceu em tal julgamento, o que eu sei é que o réu foi inocentado. Na justiça é assim, se o réu não for malandro, nunca terá a menor chance, já os bandidos...

É preciso testemunha, além disso, bandidos sempre tem um bom álibi, restando às inocentes vítimas, mentir, mas nós sabemos que é muito feio mentir e que os anjinhos lá do céu não gostam, não é mesmo?

Noventa por cento dos negócios feitos no Brasil, hoje, tem um bom suporte de pessoas experientes. Alguns negócios necessitam de seguranças, polícia, pilantras, advogados, burocratas, políticos, jornalistas, TVs, grupos empresariais, etc.

Essa é a melhor forma de levar uma vida fácil.

By Jânio

O fim das aparências

Publicidade grátis com a mulher melância

Teoria da Puta velha

A crise da PPP

O país rico mais pobre

Sérgio Cabral prendeu os bombeiros

Pobre classe média


Postar um comentário