domingo, 6 de março de 2016

Curdistão - Uma nação sem estado



O "fator curdos'é particularmente importante no caos de conflitos armados no Oriente Médio. A maior nação do mundo dividida em várias lutas para alcançar seu objetivo histórico: a criação de seu próprio país.

Nos últimos tempos, os curdos conseguiram o que há anos não conseguem fazer os exércitos regulares do Iraque e da Síria: a milícia curda diluiu o mito da invencibilidade dos terroristas do Estado islâmico.

A sua coesão interna e a compreensão de que precisam ser capazes de defender suas terras ou serão exterminados sem piedade pelos Wahhabitas permitiu aos curdos realizar operações bem-sucedidas em várias frentes contra o mais rico exército terrorista na história.

No Iraque, os destacamentos da milícia curda, Peshmerga, que também inclui mulheres e voluntários do Curdistão turco-iraniano, não só defendeu a cidade mais importante de sua autonomia (Erbil), mas também, com o apoio da Força Aérea dos EUA, aproximaram-se de Mosul, centro de uma província rica em petróleo controlado por terroristas desde o verão de 2014.

Na Síria, o Peshmerga libertou a cidade de importância estrategica de Kobanî e conteve ataques extremistas nos distritos curdos de Aleppo. O mundo admira seu heroísmo e os considera a única força real da terra capaz de enfrentar o terrível ​​Estado Islâmico e outras organizações terroristas.

 Os Curdos desfrutam de um serviço de inteligência forte que fornece dados tanto para o grupo aéreo russo na província de Latakia como para a coalizão militar liderada pelos EUA

O que você precisa saber sobre os curdos?

Há cerca de 40 milhões de curdos: entre 13 e 20 milhões vivem na Turquia; entre 3,5 e 8 milhões no Irã; entre 7 e 8 milhões no Iraque, entre 2 e 3 milhões na Síria. Cerca de dois milhões de somam o diáspora curdo em outros países. Existem importantes comunidades na Europa Ocidental, especialmente em países como Alemanha, Reino Unido e Suécia.

A grande maioria dos curdos - cerca de 75% - são muçulmanos sunitas; um em cada sete curdos é xiita. Há também zoroastristas curdos, Yazidis e até mesmo cristãos.

Geograficamente, a maioria do Curdistão histórico se encontra no território da República da Turquia (sudeste). Outros curdos vivem no nordeste da Síria e no norte do Iraque. Os Curdos iranianos vivem de maneira compacta no oeste deste país.

opinião dos Curdos   

"A criação de um único Curdistão independente é uma possibilidade remota, mas hoje os curdos afirmam que os seus direitos devem ser protegidos em todos os países onde vivem, seja em forma de autonomia, federações ou confederações, " disse Merab Shamóyev, membro da União Internacional das Associações públicas curdas e membro do Congresso Nacional do Curdistão, em entrevista à RT.

Situação atual

Iraque


Hoje a Constituição iraquiana consagra o direito à auto-governança para o Curdistão iraquiano e até secessão. A autonomia curda do Iraque tem todos os atributos de um Estado, também as agências de segurança e da polícia e das forças armadas [ex Peshmerga].

De fato, a região recebe financiamento na proporção da sua população em 17% das receitas das exportações de petróleo do Iraque; a língua curda é reconhecida como a segunda língua oficial no país. O Curdistão está adequadamente representado no governo federal (seis postos de ministros, incluindo o ministro do Exterior, uma parte influente no parlamento, etc.).

 O Curdistão iraquiano favoravelmente difere de outras partes do país pela sua segurança e o clima de investimento favorável. Seus habitantes também podem se orgulhar de seus sucessos na reconstrução de uma economia devastada pela guerra, como infra-estrutura, saúde e educação.

líderes curdos iraquianos têm repetidamente agido como intermediários entre iraquianos árabes, xiitas e sunitas.

No entanto, eles enfatizam que os curdos iraquianos são a favor da manutenção de um Estado iraquiano unificado, e não pretendem forçar a sua desintegração.

conclusão:

"No Iraque, os curdos têm um alto grau de autonomia, quase todas as características de soberania. A única coisa que falta no Curdistão iraquiano é um verdadeiro apoio internacional, como base jurídica para a sua existência bastante instável, apesar de contida na Constituição iraquiana, observa o editor-chefe do portal Kurdistan.ru Vadim Makarenko".

Turquia

O que há para saber?

A República da Turquia tem brutalmente reprimido ao longo da sua existência até 29 levantes armados dos curdos. Em 1984, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, fundado por Abdullah Ocalan, começou uma outra luta armada no leste da Anatólia.

Ao mesmoo tempo, a PTK estabeleceu suas bases no norte do Iraque, e as tropas turcas logo começaram a lançar incursões nessas áreas. O curdistão turco se tornou uma fonte constante de tensão.

Mais tarde, Öcalan foi sequestrado pelos serviços de segurança da Turquia, em Nairobi, e trancado em uma prisão de Imrali, ilha do Mar de Mármara.

Em 2009 Öcalan convocou seus compatriotas através da mídia para depor as armas e entrar em negociações com o governo. Então, na Turquia, em seguida, surgiram a imprensa, rádio e televisão curda nacionais. Com a mediação de líderes curdos iraquianos, Ankara e líder do PKK, presos, desenvolveram um plano de paz que prevê a retirada de militantes curdos de regiões vizinhas ao Iraque, reformas legislativas e  alterações na Constituição que reconhecem direitos e liberdades da minoria curda, excluindo a PTK da lista de organizações terroristas e a libertação de todos os presos políticos, incluindo Öcalan.

No entanto, em 2015, Erdogan mudou drasticamente a sua posição com o lançamento de uma nova ofensiva contra os "cúmplices de PTK."

Comentários: "O Governo turco considera o êxito dos grupos de auto-defesa curdos mais um passo para a criação do 'quase-Estado curdo" perto de suas fronteiras" disse ele em um artigo recente no jornal alemão "Frankfurter Rundschau ".

"Pelo fato de os curdos constituírem uma grande parte da população da própria Turquia, a situação atual representa uma grave ameaça para Erdogan e seu governo. Temendo por seu regime, a Turquia está pronta para fornecer mais ajuda a grupos como a Al-Nusra e ele reconhece os curdos como a maior ameaça ao lado do Estado islâmico".


"Erdogan diz que o presidente sírio, Bashar Al Assad perdeu a legitimidade porque luta contra o seu povo, porém, ao mesmo tempo, se comporta como o líder de uma gangue: perdeu a sua legitimidade ao desencadear uma guerra contra regiões inteiras do Estado" disse o representante da União Democrática do Curdistão, em Paris, Khaled Issa, em entrevista à RT. "

Síria: A guerra pela sobrevivência

situação

A guerra civil na Síria colocou os curdos em uma posição difícil. "Por um lado, os curdos sírios eram discriminados por motivos étnicos durante o reinado do regime baathista da Síria, e, claro, não se pode falar em apoiar o governo sírio atual na brutal guerra civil ainda em curso. Por outro lado, grupos armados de oposição que lutam contra Bashar al Assad, não garantem os direitos curdos e liberdades nacionais ", disse à RT Stanislav Ivanov, pesquisador do Instituto de Estudos orientais.

"Além disso, os curdos estão temerosos de que em caso de vitória dos rebeldes que chegariam ao poder em grupos radicais em Damasco, salafistas  ou wahabitas, que orientariam sua política para as monarquias do Golfo Pérsico. Neste caso, é improvável que os sírios curdos pudessem ter mudanças positivas em  sua situação", disse Ivanov.

O sucesso da coalizão antiterrorista na Síria é em grande parte devido às ações da milícia curda. Desde o início da expansão do Estado Islâmico na Síria os curdos são uma das principais forças que se opõem aos terroristas. Aproveitando-se da retirada do exército sírio das áreas com maior população,  começaram a se formar unidades de auto-defesas nestas áreas. Hoje, os curdos sírios controlam a maioria dos lugares mais densamente povoados da região.

Opinião: "Seus líderes não defendem a separação do Curdistão sírio em comparação com outras regiões do país, nem exigem autonomia total, porque ao contrário do Iraque, os curdos sírios vivem em seus enclaves nas grandes cidades [Damasco, Aleppo e outros], assim como em outras três províncias sírias diferentes, entre as quais estão áreas populacionais árabes. "

" Os sírios curdos iriam se contentar em ter os mesmos direitos e liberdades que a população árabe, a representação proporcional em novos órgãos do poder e o modo - chamado de autonomia cultural"

Irã: A tensão persiste

Hoje a questão curda no Irã permanece em um estado de tensão latente, uma vez que os eventos dramáticos que vivem no Iraque, Turquia e Síria também influenciam o aumento da consciência nacional dos curdos iranianos. Teerã também é forçada a ter em conta as mudanças que estão ocorrendo nos enclaves curdos de países vizinhos e toma medidas preventivas para reduzir as tensões entre os curdos e as autoridades.

Periodicamente o território iraniano sofre ataques armados e atos terroristas do partido radical curdo PJAK (Partido para Vida Livre no Curdistão), com base no Curdistão iraquiano.

Teerã diz que o financiamento,  armas  e suprimentos para este partidoa são realizadas através da agência de inteligência israelense Mossad.

avaliação:

"Os curdos mantem bons contatos com os judeus desde os tempos antigos, porque durante séculos esses povos têm sido os principais objetos de perseguição na região," diz o ativista curdo à RT-Síria, Dr. Low Mai. "Entre os curdos e os israelenses há um certo sentimento de solidariedade."

"Entre os curdos e os israelenses há um certo sentimento de solidariedade, ambos os povos se sentem minorias no Oriente (...). Mas não pensem que PJAK é financiado por Israel. Nossas fontes nunca tiveram informações sobre isso", disse à RT o ativista curdo-Sírio, Dr. Low Mai.

Fonte: RT-TV

A história do Oriente Médio

Grupos terroristas mais ricos

Extremistas assustam até terroristas


Postar um comentário