quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Rússia arma os Kurdos através do Iraque



"Nós estamos fornecendo armas para os curdos através do governo iraquiano. O centro de informações estabelecido em Bagdá, que é composto por representantes das Forças Armadas do Iraque, Síria, Irã e Rússia, também tem a representação dos curdos", disse o O ministro do Exterior Sergey Lavrov, durante uma conferência de imprensa na ONU, em que resumiu a presidência da Rússia no Conselho de Segurança, o mais alto órgão internacional.
Ao começar o seu discurso, Lavrov relembrou que "a Rússia é um dos países fundadores da ONU." O ministro das Relações Exteriores também ressaltou que  está convencido de que o trabalho da ONU tem sido eficaz.
Em relação ao trabalho que tem feito na Rússia durante a sua presidência do Conselho de Segurança, o ministro das Relações Exteriores disse: "Fomos responsáveis no cumprimento de nossos deveres presidenciais ao tentar promover uma agenda positiva e criar medidas comuns com base nos princípios da Carta. ONU ".
As condições em que se desenvolveu a presidência da Rússia no corpo diretivo da segurança mundial não têm sido fáceis. Assim, o ministro das Relações Exteriores   salientou: "Nossa presidência transcorreu durante a deterioração da situação no Oriente Médio e Norte da África e do crescimento do terrorismo extremista, incluindo as atividades do Estado islâmico".
Lavrov disse que a agência tem pronunciado vários pontos de vista. No entanto, ele observou: "Em um desses pontos, eu acho que todos concordamos: a ameaça terrorista está em nossas portas."
Nesse sentido, Lavrov expressou esperança de que o Conselho de Segurança da ONU aprove o projecto de resolução sobre a luta contra o terrorismo num futuro próximo.
"Os terroristas têm planos de conquistar um território que vai do Paquistão até Portugal", disse Lavrov.
"Estão  colocando em risco não só a região mas também  as regiões vizinhas, principalmente as  regiões distantes do Oriente Médio e Norte da África. Neste contexto, eu acho que muitos estão interessados ​​positivamente na iniciativa do presidente Putin de criar uma ampla coalizão baseada no direito internacional, especialmente na Carta das Nações Unidas, e agindo em coordenação com os governos dos países que estão travando a luta contra os terroristas e extremistas ", acrescentou o chefe da diplomacia russa.
Lavrov também discutiu várias questões internacionais. Falando sobre a crise política no Iêmen, Lavrov disse: "No Conselho de Segurança concordamos que devemos parar as ações bélicas imediatamente  e que a única maneira de resolver o problema é por meios políticos através do envolvimento da ONU" .
O ministro anunciou que no Iraque "foram demonstrados vários exemplos do uso de armas químicas pelo Estado islâmico e outros terroristas" e, portanto, deve ser estendida ao território do Iraque o mecanismo de proibição destas armas, já aplicado na Síria.
Lavrov disse que a Rússia não vai intervir no Iraque para realizar ataques contra o Estado islâmico, argumentando que o governo de Bagdá não solicitou tais ações para a Rússia.
Referindo-se à situação na Síria, Lavrov disse que "você não pode deixar a Síria sozinha enfrentando a ameaça do terrorismo." O ministro das Relações Exteriores destacou que os países da Rússia e do Golfo estão de acordo quanto à necessidade de lutar contra o terrorismo e solucionar as questões políticas no Iraque.
"A Rússia visa combater o terrorismo na Síria e não apoiar uma das forças políticas", disse Lavrov, acrescentando que a Rússia pretende lutar contra formações terroristas como EI e Frente Al Nusra e não considera a oposição síria como um grupo terrorista.
Lavrov disse que a relutância da Rússia para se juntar ao grupo liderado pelos Estados Unidos se deve ao fato de que este foi criado sem cumprir  com o direito internacional.
O ministro negou as acusações de que a operação anti-terrorista da Rússia na Síria é uma tentativa por parte de Moscou para distrair a atenção mundial do conflito na Ucrânia.
Rússia assumiu em 31 de agosto  a presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU.
A presidência Russa no Conselho de Segurança coincidiu com o 70º Assembleia Geral da ONU, que teve início em 15 de Setembro, bem como uma reunião de alto nível convocada em 28 de Setembro, com a maioria dos chefes de Estado, Governos e ministros das Relações Exteriores.
Fonte: RT-TV
Leia também:

Postar um comentário