sábado, 25 de julho de 2015

Esporte de pobre


Há um ditado que diz: "Pobre só vai para frente quando a polícia corre atrás".

Essa frase expressa bem algumas modalidades olímpicas dos jogos pan-americanos de Toronto. Enquanto a natação saiu com dez medalhas de ouro dos jogos, o atletismo sonha em conseguir pelo menos dez medalhas de prata. É sobre a sina do atletismo que trata este texto, a sina de pessoas pobres.

Infelizmente a  Rede Record, talvez inspirada pelas igrejas pentecostais, não tenha contado as histórias destas pessoas pobres, como várias outras tvs fizeram durante décadas. Histórias policiais bizarras parecem ter o script pronto, então, por que não pegar as histórias prontas?

O que ninguém sabe é que as tristes histórias dos atletas olímpicos também já estão anunciadas. Basta conversarmos dez ou quinze minutos com algum maratonista ou outro atleta para conhecermos suas histórias.

Em meio a tanto sofrimento, alguns brasileiros sonham em acertar na loteria ou na tele-sena, sem notar os bilhões que saem da Caixa Econômica ou outros bancos públicos, através de contatos políticos. Vamos relembrar alguns desses casos famosos de sucesso, em meio ao sofrimento do esporte.

Robson Caetano - foi o primeiro atleta do país a se consagrar na prova mais veloz do atletismo. Além de representar o país muito bem nas olimpíadas, também ajudou a elevar o nível da modalidade nos jogos pan-americanos.

Robson Caetano ficou famoso por denunciar a falta de apoio dos atletas que só eram reconhecidos quando se  tornavam celebridades. Devido aos seus discursos inflamados, hoje ele é um dos comentaristas mais disputados pelas TVs, um dos mais bem pagos também.

Joaquim Cruz - durante muito tempo foi considerado o único atleta brasileiro detentor de recorde olímpico. Mas a vida nem sempre foi assim tão alegre para ele.  

Joaquim Cruz sofreu na pele a falta de apoio e  quando finalmente ganhou a tão sonhada medalha de ouro solitária nas olimpíadas, foi-lhe oferecido um prêmio em dinheiro. Além de recusar o dinheiro, sugeriu que o dinheiro fosse oferecido a quem não havia conquistado nenhuma medalha, deixando claro a sua mágoa pela injustiça com os atletas.

Mais tarde, Joaquim ainda chamou a atenção para a aparência bombada de alguns atletas olímpicos, deixando claro que a tecnologia anti-doping estava perdendo feio para as drogas farmacológicas utilizadas pelos atletas. 

Zequinha Barbosa - entre os ganhadores de medalhas mais famosos, Zequinha talvez seja o que mais tenha sofrido com a falta de reconhecimento, mesmo sendo um dos melhores do mundo em sua modalidade.

O ensino de línguas avançou muito no país, nota-se pela quantidade de brasileiros que fazem sucesso lá fora, a natação deixa bem claro esse perfil mais elitizado dos atletas olímpicos, já o atletismo continua sofrendo e vivendo de milagres para poder participar, exceto aqui no Rio, quando todos poderão viajar até de bicicletas.

Esporte de competição por equipes vivem uma realidade bem diferente, alguns conseguem até jogar em dois campeonatos simultaneamente. O vôlei até conseguiu um descendente olímpico, o vôlei de praia, além de chegar a competir com o futebol em número de praticantes.

Entre as equipes, o handebol foi uma das modalidades que mais evoluíram nos últimos anos, apesar de ser ensinado e praticado pelas escolas normais.

Lembrando que o Brasil, por ser sede, terá direito a ter um esporte especial local de exibição.

By Jânio

O que os jogos pan-americanos nos mostram

Medalhas de ouro ganhas pelos brasileiros na primeira semana


Postar um comentário