sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Je suis Charlie




Podemos observar um choque de culturas entre os países ricos e os miseráveis do Oriente Médio, pessoas que não tem nenhum sentido na vida além do fundamentalismo religioso.

Quanto mais os ocidentais se intrometem nos assuntos do Oriente Médio, mais os conflitos aumentam. Muitas pessoas morrem diariamente nos conflitos do Oriente Médio e, como consequência, aumenta o ódio que eles sentem pelos "infiéis".

O semanário que se considera de esquerda é teórico demais para sentir na pele o que escreve, como resultado, todos os humoristas foram assassinados num atentado poucas vezes visto na história   da "liberdade de imprensa".

Eu acho que um massacre como esse é uma reação exagerada, quando se trata de defender um ideal religioso, acontece que muitas pessoas acreditam na religião e pensam diferente. O povo do Oriente Médio não tem ilusões quanto ao diálogo e a justiça, sentem na pele isso.

O estudo da ética demonstra que a verdade é um elemento raro para a nossa falta de cultura e que, às vezes, é melhor fazer o que é certo e necessário, ou seja, se for para morrer, que seja por um motivo verdadeiro.

Para criticar uma cultura é necessário conhecê-la, interagir com ela. A linguagem dos ricos nunca será a mesma linguagem dos pobres e, no caso daquelas pessoas que não tem sentido na vida e precisam da religião para poder morrer, falar de religião pode ser um bom motivo para viver e morrer por ela.

Podemos até saber quem está errado, difícil será encontrar a pessoa certa.

Eu vou terminar o post com uma frase na internet que me assustou muito: "As pessoas más vivem o que as pessoas boas apenas sonham".

... ou seria o contrário?

By Jânio

A história de Wellingtom menezes

Guerras frias

A inocente encrenca de Maomé

Postar um comentário