quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Eleições 2.014 - O dia seguinte




Durante 500 anos o Brasil foi controlado por uma aristocracia implacável, separando o país em dois, e a eleição de 2.014 mostrou bem isso. Como eu já disse várias vezes, num país com mais pobres que ricos, a direita terá poucas chances na era da internet.

De fato, nossa política sempre foi populista e esse populismo sempre foi útil para acalmar a sociedade, diante de tantos políticos orruptos.

Cada vez que pesquisamos algumas das instituições que formam o sistema, como é o caso do STF, notamos que a democracia é uma grande farsa capitalista. Assim como as pessoas não decidem qual será o salário de um político que é eleito com  financiamentos obscuros de empresários e banqueiros interessados no controle do sistema, também não elegemos os ministros do STF.

Essa é uma realidade que nunca interessou muito as mídias de massa, exceto agora que sentiram que dificilmente a esquerda deixará o poder. Não houve muitas mudanças, é verdade, mas foi o suficiente para muitos empresários decidirem investir em outros países

A queda das ações da Petrobrás no dia seguinte às eleições, foi uma mensagem melancólica dos derrotados. A mídia lembrou que o STF poderá estar totalmente sobre o controle da esquerda, apenas um dos ministros não será indicação do governo petista, depois do último pedido de aposentadoria.

A direita continua forte no sul e sudeste, mas o clima ajuda a demonstrar que nem tudo são flores na política de direita. Os candidatos chegam a adiar o comunicado de suas candidaturas por causa das chuvas e, quando acabam as chuvas, começa a seca e a falta de água. Muitos burgueses já sentem a falta do tempo em que Roberto Marinho decidia quem seria o Presidente, ou quando arquivos eram queimados, como foi o caso de PC farias.

A Privataria Tucana e a Mária do Asfalto não foi suficiente para derrubar a direita, até porque o governo sabe que se pressionar a direita, sobrará para a esquerda. Corruptos da direita que escaparam da cadeia graças a supostos problemas no coração, como José Roberto Arruda e outros que tentam sair das fichas sujas, bem que tentam voltar, mas está difícil mostrar suas caras sujas com tantas informações na internet.

Eu vi o final melancólico da carreira de Marina Silva, quando decidiu optar por apoiar direita. É preciso tirar o chapéu para o Aécio, quando se trata de estratégias. Primeiro ele lembrou aos eleitores que Marina era de esquerda, PT, protegendo seus votos de direita, garantindo o bipartidarismo no segundo turno, em seguida, garantiu o apoio de Marina no Segundo turno, sabendo que a maioria dos eleitores de Marina eram de direita.

Eu diria que Aécio só falhou ao divulgar o apoio de Dilma ao seu governo, isso demonstrou que ele se importava com a opinião dela, além de deixar uma suspeita de que os dois eram mais próximos que se imaginava. Enquanto os eleitores do PT poderiam imaginar que isso seria opinião do passado, para os eleitores do PSDB passou a ideia de reaproximação.

Conclusão: Segundo os controladores do sistema, há verdades que só aparecem em época de eleição, outras verdades só aparecem depois das eleições, mas existem verdades que nunca irão aparecer, pelo menos para nós, pobres mortais.

By Jânio

Postar um comentário