quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Dispositivo ultra-sônico contra jovens




O Mosquito (comercializado como Beethoven, na França; Swiss-Mosquito, na Suiça,  e SonicScreen, EUA e Canadá) é um dispositivo eletrônico usado para combater a vadiagem de jovens, que emite som em alta frequência.

A mais recente versão do aparelho foi lançada no final de 2.008, tem duas configurações de frequência. Uma é de aproximadamente 17,4 KHZ, que poderia ser ouvida geralmente só por pessoas jovens, e uma outra configuração de 8 KHZ, que pode ser ouvido pela maioria das pessoas.

O potencial máximo de produção sonora é indicado em 108 decibéis (dB), segundo o fabricante.

A frequência mais alta  normalmente pode ser ouvida apenas por pessoas com menos de 25 anos de idade, já que a capacidade de ouvir altas frequências diminui com a idade.

O dispositivo é comercializado como uma ferramenta de segurança, para evitar baderna de jovens em áreas específicas. Como tal, deveria promover comportamentos anti-sociais, tais como vadiagem, pichações, vandalismo, distribuição de medicamentos, uso de drogas e violência. Só no Reino Unido, foram vendidos mais de 3.000 dispositivos, principalmente para ser usado do lado de fora das lojas e em centros de transportes. O aparelhos está sendo vendido também na Austrália, França, Dinamarca, Itália, Espanha, Alemanha, Suiça, Canadá e EUA.

O Mosquito tem provocado controvérsias, com base nos Direitos Humanos. Os críticos dizem que ela discrimina os jovens e viola seus direitos, enquanto os fabricantes argumentam que tornar o Mosquito ilegal viola os direitos dos comerciantes, que sofrem perdas quando "adolescentes rebeldes" afastam seus clientes. Os distribuidores do Mosquito disseram que eles mantém padrões para garantir que não haja abuso com o dispositivo. Howard Stapleton, que inventou o dispositivo, pediu para os governos europeus legislar diretrizes para seu uso.

O Mosquito foi criado em 2.005, originalmente testado em Barry, Gales do Sul, onde reduziu a quantidade de adolescentes próximos a um supermercado.

A ideia de criar o dispositivo surgiu quando ele se irritou com o barulho de uma fábrica, próximo de sua casa.  O impulso para criar o aparelho ocorreu quando a filha de 17 anos de Stapleton, foi assediada por um grupo de meninos, entre 12 e 15 anos. Usando suas crianças para os testes, ele determinou a frequência do "Mosquito".

O alcance do som é de 43 metros, com o defletor de som, e de 61 metros sem.

Um dispositivo instalado em uma loja, em Newport, South Walles, foi banido pelas autoridades locais.

Em fevereiro de 2.008, em resposta a uma campanha nacional lançada pela Children's Comissioner for England, Liberty, e a Agência Nacional da juventude, o governo emitiu um comunicado insistindo que " o Mosquito não é proibido e que o governo não tem planos de bani-lo.

O Moquito ganhou o Ig Nobel da Paz em 2.006.

Segundo o Federal Institute for Occupation Safety and Health, da Alemanha, que afirmou em um relatório "o uso do canal de som ultrasonico não é totalmente seguro".

Segundo esse relatório, não foram identificados riscos para os jovens e adultos, mas os bebês estariam expostos, já que os adultos não teriam como ouvir tais ruídos. Além disso, o relatório ainda lembra que o ultra-som não afeta só a audição. Perturbação dos sentidos de equilíbrio, assim como outros efeitos extra-aural são bem conhecidos.

Com os níveis de som que podem ser alcançados pelo dispositivo, o aparecimento de tontura, dor de cabeça, náuseas e outros problemas, é de se esperar. E isto não é tudo.

Estudos realizados no Reino Unido para o Health and Safety Executive (HSE), estabeleceu que os estudos são insuficientes para garantir a segurança.

Fonte: Wikipedia

Ideias futuristas


Top 10 ficção real

Tecnologia da invisibilidade

Jetpack - o Foguete pessoal

Teletransporte de dados

Controle mental das máquinas

Postar um comentário