sexta-feira, 6 de julho de 2012

Guerra feita de paz



Há pessoas que realmente acreditam que as guerras possam trazer a paz, pior, preferem a instabilidade política, enquanto não tem o controle dessas regiões.

Podemos observar várias formas de manipulações sociais pelo mundo, desde as mais violentas, como as asiáticas, russa e chinesa, até as menos violentas, como a inglesa. O fato de ser menos violenta não  quer dizer que seja melhor.

Um bom exemplo disso é a eugenia, que nasceu na Inglaterra e se desenvolveu fora da capital inglesa, bem no estilo do Império Romano. Depois de ser incubada nos EUA,  a eugenia foi uma das sementes do nazismo, uma praga que assusta até hoje.

O nazismo é apenas uma das formas de política de direita, apesar  da direita afirmar que o nazismo é de esquerda. Alguns especialistas afirmam que o nazismo é um sistema distinto, tanto da esquerda quanto da direita.

Uma das características de direita, verificadas no nazismo, é o racismo. Extremistas de direita tem muito mais facilidade para conspirar, enquanto os extremistas de esquerda não conseguem passar de terroristas.

Baseado nisso, fica difícil entender como Osama Bin Laden conseguiu controlar quatro aviões no dia onze de setembro. A única explicação é a de que ele fora treinado pela CIA, mas isso não simplifica as coisas.

Além disso, já havia sido registrado uma tentativa de ataque as torres gêmeas.

Em algumas regiões como o Brasil, não há guerras, mas isso não melhora em nada a condição da população. A corrupção política deu origem a vários problemas, que somados constituem um problema pior que a guerra, matando muito mais.

Os políticos, que não abrem mão da corrupção, acreditam que as forças armadas poderão resolver problemas sociais graves, provocados por má gestão política.

Não são só os morros que enfrentam situações de guerras. Em São Paulo, não faz muito tempo, foi tomada pelo PCC - Primeiro Comando da Capital - com o apoio principalmente de pessoas marginalizadas.

A organização do PCC mostrou não só que é possível uma reação inesperada da população, em uma classe sobrevivente, da qual ninguém esperava nada, pior, que isso pode ocorrer de maneira rápida.

Os sem-terra, sem-teto, sem-dinheiro e sem-nada, continuam sobrevivendo. Aqueles que sobrevivem as armadilhas do vício, conseguem até se organizar.

Na saúde parece tudo em paz: enquanto os ricos pagam para entrar, os pobres rezam para sair das filas. Uma harmonia diabólica, até que ocorre uma epidemia e até as forças armadas são chamadas, passando a fazer parte das vítimas.

Para a nossa sorte, os vírus que surgiram, ou foram criados em laboratórios, até agora, não foram suficientes para nos vencer. Essa história de caixões espalhados pelo mundo inteiro, por uma organização chamada FEMA, preocupa, principalmente em uma país que não costuma ficar recebendo caixões de presente, como é o caso do Brasil.

A chamada higiene social, ou Darwinismo Social, anda em alta. Para eles, não importa de quem é a culpa pelo caos social ou crise econômica, para eles, alguém terá de limpar isso e eles não dão a mínima para a forma como isso será feito.

As religiões contemporâneas tem se adaptado a tudo isso nos últimos séculos ou milênios, fazendo a sua parte. Por isso, parte da verdade tem sido censurada, criando vazios que geram grandes mistérios em nossas crenças.

Durante o seu início, o Império Romano foi muito violento, depois conseguiu controlar corações e mentes.

Nos últimos anos, várias revoluções tecnológicas levaram os sistemas a perderem novamente o controle das massas. Parece que a liberdade de expressão está deixando de ser importante para os donos do poder, o sistema bipartidário, direita e esquerda, está chegando ao fim.

Se a  democracia forjada pelos donos do poder chegar ao fim, não haverá mais governo e os senhores feudais se vingarão da burguesia e voltarão a controlar a terra.

Para muitos países que sempre viveram em paz, aprendendo a morrer, não haverá muita mudança, a preocupação fica por conta do resto do planeta, que não pôde ser domesticada completamente.

By Jânio
Postar um comentário