segunda-feira, 21 de maio de 2012

Mayara Petruso é condenada



O dia 16 de maio foi um dia histórico para a justiça brasileira, e para a sociedade brasileira também, Mayara Petruso, conhecida como a garota que queria afogar os nordestinos, foi condenada a um ano, cinco meses e 15 dias de reclusão. O Ministério Público já avisou que pretende recorrer da decisão da Justiça Federal, considerando tal pena branda demais.

Segundo a Justiça Federal, Mayara Petruso já teve muitos problemas por causa desse ato e por isso a pena seria reduzida.

Mayara perdeu o emprego, saiu da faculdade e passou a viver reclusa.

Essa explicação da justiça, para a redução da pena, já está sendo considerada polêmica, afinal, a justiça estaria considerando a justiça feita pelo povo e isso é perigoso.

Ironicamente, depois de convidar as pessoas para afogarem um nordestino, afirmando que nordestino não é gente, Mayara terá de aprender a ser gente.

Ela não ficará na cadeia, pagará uma multa irrisória de R$620,00, além de ter de prestar serviços à comunidade.

Eu já havia observado essa guerra racial e de classes que vinha crescendo em ritmos alarmantes na internet, na época das eleições e fiz a pergunta: "Quem será o primeiro burguês a cair ou sentir o sabor do próprio veneno?"

Eu li muitos comentários nada sutis, manifestações de uma sociedade que não assumia a culpa por todos os sofrimentos que seu sistema causou a sociedade durante séculos de história racista e discriminatória.

Nosso sistema não é só racista, nossos bilderbergers conseguiram reunir os afros e os pobres numa única classe, sem nenhuma chance de se defender. Mayara pagou pela classe, graças a sua falta de inteligência, indigna de viver no grupo de facistas mais hipócritas do qual ela pertence, mas que não são tão estúpidos quanto ela.

Mayara não tinha tantos seguidores no Twitter, onde fez as declarações, provavelmente também não era muito influente fora da rede, pelo contrário, era facilmente influenciável. Além disso, demonstrou o quanto a educação cidadã está atrasada.

Apesar da concentração das manifestações contrárias ao racismo e xenofobia, em Mayara, que não é inocente, eu alertei para um problema muito maior.

Mayara demonstrou um pensamento burguês que a elite prefere disfarçar, fazendo piadas discriminatórias. Até há pouco tempo atrás, haviam programas de humor, e uma linguagem politicamente incorreta bem mais tolerante pela sociedade.

A sociedade não mudou, apenas tornou-se mais discreta.

Como nós sabemos que a educação familiar, politica e social, está muito mais decadente, eu me pergunto como ainda não temos uma organização secreta mais perigosa.

Eu diria que as poucas pessoas indesejáveis para a elite, que conseguem alcançar o topo, seguem a cartilha imposta pelo sistema, por isso são toleradas. Elas são úteis e ajudam em sua causa maldita, mesmo sem saber.

O caso Mayara Petruso despertou um sentimento de revolta no povo, principalmente nos mais afetados por discriminações desse tipo, por isso a repercussão que teve.

A burguesia pode ter falado: "Essa história já encheu", mas esse fato serve também para nos lembrarmos que há câmeras nos filmando por toda parte e que mesmo sendo honestos e trabalhadores, estaremos sujeitos à erros e punições  que devemos evitar e que a educação e a família tem de ser repensados.

Ao errar, Mayara mostrou o que a burguesia pensa e que a sociedade já sabia mas só esperava uma oportunidade para pegar um burguês no flagra. Pior para a Mayara.

... e que venham outros flagras como esses.

By Jânio

Texto relacionado:

Mayara Petruso: A garota que queria afogar os nordestinos



Postar um comentário