sexta-feira, 16 de março de 2012

Jetpack - O foguete pessoal




Na década de 60 e 70, haviam heróis que utilizavam os aparelhos propulsores, foguetes presos do lado de trás do corpo, que permitiam voar.

Além de ser um acessório muito brega, era também muito desajeitado. Por isso, eu fiquei surpreso em saber que essa era a tecnologia de ponta daquela época, e continua sendo, já que essa tecnologia está sendo um desafio para os técnicos aero-espaciais.

Apesar das dificuldades, no espaço parecia bem mais apropriado, devido a falta de atrito, mas isso apenas na ficção. De acordo com esse texto da Wikipedia, no espaço também não é tão fácil sua utilização.

"Jetpack  é um termo utilizado para designar um aparelho voador, movido por jatos de gases ou, em alguns casos, água líquida, de modo a permitir que uma única pessoa possa voar.

O conceito surgiu a partir da ficção científica na década de 1920 e se tornou popular na década de 1960, quando essa tecnologia se tornou uma realidade. O uso mais comum do jet pack tem sido para atividades extra-veiculares, para os astronautas. Apesar de décadas de avanço na tecnologia, os desafios da atmosfera da Terra, a gravidade da Terra, e o fato de que o corpo humano não foi projetado para voar, naturalmente, continuam sendo um obstáculo ao seu uso potencial no serviço militar ou como um meio pessoal de transporte.

Segundo depoimentos não confirmados, durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha realizou experimentos no final da guerra, onde a pessoa era presa por duas cintas com tubos de jatos para o corpo do piloto. O princípio de funcionamento era o mesmo que o Argus quando o jato que impulsionava uma bomba voadora (mais popularmente conhecida como bomba V-1 ou buzz), embora o tamanho fosse muito menor.

O dispositivo foi chamado de Himmelstürmer e permitia ao piloto flutuar no ar durante um curto espaço de tempo.

Acionando ambos os foguetes simultaneamente, o piloto podia se manter a certa altura, 15 metros, e ir para frente, até 60 metros. Com esses foguetes, o piloto podia dar "saltos" limitados.

O dispositivo foi concebido para ajudar as unidades de engenharia alemãs a atravessar campos minados, obstáculos de arame farpado, e as águas. O dispositivo nunca foi destinado para o uso de tropas, apesar de sua representação imaginativa nas histórias em quadrinhos e filmes como "As Aventuras de Rocketeer" (que não tinha qualquer semelhança com o dispositivo real).

No fim da guerra, este dispositivo foi entregue a Bell Aerosystems que testava com ajuda de uma corda por medo de lesões, nenhum piloto de teste estava disposto a arriscar sua vida com a máquina alemã.  O que aconteceu com o dispositivo não é conhecido.

Aeropack: Em 1959, a Aerojet General Corporation ganhou um contrato do exército EUA para elaborar um aeropack. No início de 1960 Richard Povos fez seu primeiro vôo  preso a um Aeropack.

Em 1960, Rocketbelt foi apresentado ao público. O jato de gás foi fornecido por um peróxido de hidrogênio rocket-powered, mas o jato também pode ser fornecida por um turbo do motor, dutos, ou outros tipos de foguetes movidos a combustível sólido, combustível líquido ou gás comprimido (geralmente nitrogênio).

Militares norte-americanos nunca perderam o interesse neste tipo de veículo de vôo. Estudos de transporte do Exército dos EUA, Transportation Research Command (TRECOM), determinaram que os dispositivos pessoais a jato podem ter diversos usos: para reconhecimento , cruzar rios, transporte anfíbio em mergulhos, acessar as encostas íngremes das montanhas, superar campos minados, manobras táticas, etc.  O conceito foi chamado de "Pequeno dispositivo de elevação e deslocamento", SRLD.

No âmbito deste conceito, a administração celebrou um grande contrato com empresa Aerojet em 1959, para pesquisar a possibilidade de projetar um SRLD adequado para fins militares. A Aerojet chegou à conclusão de que a versão com o motor ligado em peróxido de hidrogênio seria a mais adequada. No entanto, logo tornou-se conhecido para os militares que o engenheiro Wendell Moore da empresa Aerosystems, vinha há vários anos, realizando experimentos para criar um dispositivo de foguete pessoal, Jetpack. Depois de se familiarizar com seu trabalho, militares decidiram, durante agosto 1960, na comissão da Aerosystems, de Bell, pelo desenvolvimento de um SLRD. Wendell Moore foi nomeado engenheiro chefe do projeto.

A grande desvantagem desse tipo de combustível, é o tempo de funcionamento limitado. O jato de vapor e oxigênio pode fornecer impulso significativo a partir de foguetes bastante leves, mas o jato tem velocidade de exaustão relativamente baixa e, portanto, pouco impulso.

Outro tipo de combustível, mais convencional, poderia mais que dobrar o impulso. No entanto, embora os gases de escape do motor à base de peróxido, serem muito quentes, eles são ainda significativamente mais frio do que os gerados por propulsores alternativos. Usando um propulsor à base de peróxido, reduz-se grandemente o risco de incêndio/explosão que iria provocar ferimentos graves para o operador.

Em contraste com, por exemplo, turbojato, motores que expelem principalmente o ar atmosférico para produzir a pressão, as embalagens de foguetes são muito mais simples de construir do que os dispositivos que utilizam turbojatos. A construção do aparelho clássico de Wendell Moore pode ser feita em condições simples, como uma oficina, com uma formação de engenharia, e um razoável nível técnico e artesanato, na área.

os grandes desafios do foguete pessoal são:

Curta duração de vôo;

Despesa elevada no propulsor de peróxido

Voar muito baixo, sem nenhuma proteção;

Aprender técnicas de vôos combinadas com segurança;

Controle complexo do aparelho;

Todas essa limitações tem tornado o aparelho ideal apenas para apresentações em eventos.

Há três tipos de Jetpack:

Jet Pack, modelo H202, tempo 33 segundos, distância 152 m, velocidade de 112 km/h, 81 kg, foguete, 22 litros de combustível, Não está à venda

Jet Pack, modelo H202-Z, tempo 43 segundos, distância 457 m, 124 km/h, 76 m, 81 kg, H 2 O 2, foguete, 30 litros, não está à venda.

Jet Pack, modelo T-73, 9 minutos,  c. 18 km, 134 kmh, 76 m, 81 kg, Jet-A, T-73 do motor a jato, 19 litros, Incl $ 200.000. treinamento.

A Jet Pack H202 foi elevado para 34 segundos no Central Park, no episódio de 09 de abril de 2007 da Today Show e vendido por US $ 150.000. Em janeiro de 2009 seus jet packs H202 foram somente para demonstração, e não para venda.

O primeiro vôo livre do Jetpack ocorreu em 7 de Abril de 1969 no aeroporto de Niagara Falls. O Piloto Robert Courter voou cerca de 100 metros em um círculo, a uma altitude de 7 metros, alcançando uma velocidade de 45 km / h. Os voos seguintes foram mais longos, de até 5 minutos. Teoricamente, este novo foguete poderia voar por 25 minutos a velocidades de até 135 km / h.

Apesar de testes bem sucedidos, o Exército dos EUA perdeu o interesse. O aparelho era complexo e muito pesado. Pousar com o seu peso nas costas era perigoso para o piloto, e a perda catastrófica de uma turbina eólica poderia ter sido letal.

Assim, o aparelho de Bell permaneceu um modelo experimental. Em 29 de maio de 1969, Wendell Moore morreu de complicações de um ataque cardíaco que tinha sofrido seis meses antes, e os trabalhos sobre o pacote de turbojato foi encerrado. Sendo vendido a única versão do "pacote de Bell", juntamente com as patentes e documentação técnica, à Williams Research Corporation. Este pacote está agora no museu da empresa Williams International. Uma versão deste motor passou ao poder  dos EUA, mais tarde, nos mísseis Tomahawk.

O " Jetpack" usava um pequeno motor turbo,  montado verticalmente, com a entrada de ar para baixo. O Ar de admissão era dividido em dois fluxos: Um fluxo entrava na câmara de combustão, enquanto o outro fluxo contornava motor, em seguida, misturava com os gases de turbina quente, para arrefecer e proteger o piloto a partir das temperaturas elevadas geradas. Na parte superior do motor, o escape era dividido e entrava dois tubos que conduziam à bocais de jato. A construção dos bicos tornou possível mover o jato para qualquer lado. A Querosene, como combustível, era armazenada em tanques ao lado do motor. O controle do aparelho turbojato era semelhante ao foguete, mas o piloto não podia inclinar o motor inteiro. A manobra ia desviando os bicos. Por alavancas de inclinação, o piloto podia mover os jatos de dois bicos para a frente, para trás, ou lateralmente. O piloto girava a esquerda / direita girando o punho esquerdo. A alça direita controlava o motor. O motor de jato foi iniciado com o auxílio de um cartucho de pó. Ao testar esta partida, uma partida de veículo em um carrinho especial foi usado. Havia instrumentos para controlar a potência do motor, e um rádio portátil para conectar e transmitir dados de telemetria para engenheiros terrestres. No topo do aparelho ficava um pára-quedas auxiliar de aterragem normal, mas foi eficaz somente quando abriu em altitudes superiores a 20 metros. Este motor se tornou a base para o início da unidade de propulsão de mísseis.

O foguete de Rossy foi exibido em 18 de Abril de 2008, dia da abertura da Exposição de 35 de Invenções em Genebra; Rossy e seus patrocinadores gastaram mais de 190 mil dólares para a construção do dispositivo;  Seu primeiro vôo teste bem-sucedido foi em 24 de junho de 2004 perto de Genebra, Suíça; Rossy já fez mais de 30 vôos alimentados desde então; Em novembro de 2006, ele voou com uma versão posterior de seu jetpack;  Em 14 de maio de 2008, ele fez um vôo de 6 minutos de sucesso da cidade de Bex perto do Lago de Genebra; Ele saiu  em 7.500 metros, com sua mochila a jato; Foi a primeira demonstração pública antes da imprensa mundial; Fez lacetes sem esforço de um lado do vale Rhone para o outro e aumentou 2.600 pés.

Em 26 de setembro de 2008, Yves atravessou o Canal Inglês de Calais, França para Dover, Inglaterra, em 9 minutos, 7 segundos.  Sua velocidade atingida 186 mph durante a travessia,  e foi de 125 mph quando ele implantou o pára-quedas.  Desde então, tem feito vários testes vôos, para voar em uma formação com três jatos militares e atravessar o Grand Canyon, mas ainda não conseguiu voar sobre o Estreito de Gibraltar, ele fez um pouso de emergência na água."

Apesar dos militares afirmarem que o helicóptero é muito muito mais prático, e eles estão certos, o conceito do Jetpack pode ser aplicado em situações específicas. Além da utilização em mísseis, também poderia ser utilizado em aparelhos de mergulho, ou em locais onde não fosse possível transportar um helicóptero.

Até James Bond, 007, utilizou o aparelho em seus primeiros filmes e continua bem atual.

Acredita-se que o aparelho possa baratear com o tempo e, pela facilidade como pode ser comprado até pela internet, poderá se tornar de fato um foguete pessoal bem popular, podendo ser construído em qualquer oficina.

O foguete pessoal, desde que foi idealizado  na década de 20, passando para a prática na década de 60, até os dias de hoje, constitui-se um grande desafio que vai além da tecnologia elitista e dependerá muito da criatividade para o seu desenvolvimento futuro. Eu diria que o homem aprenderá a voar, assim como o Iron-Man, Homem de Ferro.

Lendo esse texto, lembrei-me do navegador Firefox que foi desenvolvido com código aberto, ou dos sistemas de buscas que chegaram a ser dominado por brasileiros, sempre com muita criatividade.

Os brasileiros são muito criativos, mas a burocracia impede que haja motivação para nossos cientistas seguirem em frente. Todo nosso sistema de ensino segue em sentido contrário a criatividade, ficando esta, restrita aos autodidatas.

Fonte: Wikipedia

Comentários e adaptação do texto: By Jânio




Postar um comentário