quarta-feira, 7 de março de 2012

Hora de parar



São Paulo está enfrentando um impasse muito interessante para ser analisado, a greve dos caminhoneiros - Quem é que não se lembra da famosa greve dos caminhoneiros no governo de Mário Covas?

Na época, depois de uma greve que parou São Paulo, e começava a tomar conta do Brasil, Mário Covas pediu reforço do exército para tirar os caminhões que impediam o tráfego. A atitude de Mário Covas pegou muito mal.

Essa nova greve, promovida pelo sindicato dos caminhoneiros, atingiu em cheio um ponto estratégico, o abastecimento de combustíveis.

É claro que ninguém gostou, e a opinião pública, naturalmente, ficou contra o movimento. Se a opinião pública fica contra, a justiça age rápido.

Foi o que aconteceu, mas, como eu tenho dito, a justiça anda meio desacreditada.

A justiça ameaçou multar o sindicato com um valor alto, para que eles não  recusassem , e deu certo, o problema é que os caminhoneiros não parecem estar acatando a decisão do sindicato, quebrando uma regra básica do sistema de elite.

Essa greve foi uma represália dos caminhoneiros a proibição do trânsito de caminhões na marginal do Tietê em horário de pico.

Kassab disse que não vai ceder e os poucos caminhões que circularam, tiveram que ser escoltados pela polícia. Parece que os caminhoneiros autônomos não estão dispostos a ceder a pressão da justiça.

A greve afetou todas as pessoas e quase parou São Paulo. Alguns postos aproveitaram a falta de combustíveis para por em prática a velha lei da oferta e da procura, dobrando o valor dos preços dos produtos.

É natural que as pessoas estejam incomodadas, quem é que não estaria?

É nessas horas que eu fico pensando em como é inconveniente  uma greve, e como a elite desconhece o sentimento das pessoas.

Em nenhum momento Kassab parou para pensar nas consequências de seu ato, não discutiu,  e agora sofre as consequências. O governo tenta resolver os problemas criados por sua má gestão, penalizando os caminhoneiros, transferindo para eles os problemas do caos no trânsito.

Essas atitudes estão tornando Kassab cada vez menos popular. Algumas vezes, criar um conflito na sociedade pode tornar os dois lados contra, tornando-se uma unanimidade.

By Jânio

Postar um comentário