terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Imposições à violência e ao sexo




Pela imprensa, muitas notícias de estupros  e outros tipos de abusos sexuais são veiculados o tempo todo, e a velha questão volta para nos atormentar a alma, quando o caso envolve pedofilia: "O pedófilo é normal ou é doente?"

A polícia tem uma resposta clara: "Pedófilo é um indivíduo que só sente atração por crianças, mas não por adultos. Quem sente atração por crianças e adultos é sem-vergonha mesmo."

Quando eu recebi um e-mail desconcertante, "Pastor estupra menina de dez anos e coloca fogo em seu corpo", isso me deixou com uma certeza: Esse indivíduo não pode ser normal.

Por eu ser muito direto em minhas opiniões, eu recebo muitas ameaças e, durante a minha vida inteira eu tive de conviver com isso mas, recentemente, eu tive que entrar em contato com o comando da polícia. Já que não podemos contar com a polícia, então temos que contactar os seus chefes, mesmo que os outros nos ameacem.

Muita gente não sabe, mas a polícia trabalha baseando-se no número de reclamações de uma determinada região, e seu comando também. Se fica comprovado que os policiais não estão cumprindo sua missão, então o comando tem de tomar uma decisão.

Desgraçadamente, muitas vezes nem aplicando todo o rigor em sua corporação, o comando consegue impor disciplina ao grupo. Isso ocorre porque muitos policiais nem tem concurso, são indicados por autoridades políticas, portanto não se sente sob autoridade de ninguém.

Vivendo num país assim, as pessoas passam a idealizar sua própria justiça, fazendo justiça com as próprias mãos, para se sentirem vingados.

Daí surgem os comentários do tipo: "Se fizer mal a minha filha eu mato o pedófilo."

A maioria não mata ninguém, por medo das consequências, mas suas palavras passam a promover a violência e incitam pessoas conflituosas a cometerem crimes por impulso.

Um escritor famoso sempre dizia: "Um homem forte mata com revólver, com a faca. O covarde mata com a própria língua". Naturalmente, ele estava se referindo a bandidos.

As pessoas que falam demais, incitam, conspiram, podem ser mais perigosas que as pessoas que cometem o ato, isso porque ao escreverem, estão programando, com palavras, a mente de outras pessoas.

A sexualidade sempre foi um grande problema para a humanidade, e nem sempre são questões claras, como não são as questões da pedofilia. A violência sexual no matrimônio, por exemplo, é ainda mais complexa: Poderia um homem estuprar sua própria esposa?

Se a resposta é clara, porque a mulher se submete aos seus caprichos. Não só a mulher mas toda a família, que não são independentes suficiente para cuidar de sua própria vida, sem a ajuda do marido/pai.

A questão do estupro do homem, por parte da mulher, nem é tratado pela sociedade machista, mas a lei evoluiu muito na questão do assédio sexual, principalmente quando a mulher é quem manda no homem.

Como podemos notar, a legislação brasileira segue a tendência do direito internacional, mas só no papel, na prática nada funciona.

A polícia paga para não  estarem no meio de um conflito, isso quando ambas as partes são pobres, porque quando são ricos, tudo fica mais claro, ricos são inatingíveis pelas leis.

Eu fico impressionado com a velocidade com que os advogados dos ricos são contactados.

Quando eu trabalhava na área de segurança, eu ficava impressionado como funcionava o sistema policial. Alguns pareciam psicopatas, prontos para prenderem o denunciante, ao invés de prenderem os vândalos.

Eu notei também que a polícia conhecia todas as prostitutas e, nesse caso, era um caso perdido, denunciá-las.

É claro que eu não estou falando das prostitutas profissionais, mas das vagabundas que não se decidem e conseguem se infiltrar na sociedade, inclusive amparadas pelas lei machistas, bem no estilo  da teoria da PPP.

... e assim o mundo segue, enquanto nos desviamos desses grupos e rezamos para nos manter intactos.

By Jânio



Postar um comentário