quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Controladores de mentes



A questão de direita e esquerda é bastante complexa, e não é só no Brasil. Em alguns países de primeiro mundo, partidos da oposição são chamados para compor o grupo de governo, possibilitando assim a governabilidade.

A única forma de botar ordem nessa anarquia toda, é analisar a ideologia de cada político, ou partido político. Recentemente, pudemos observar isso nas bases de apoio do PSDB e PT, quando Marina Silva optou por manter-se neutra, evitando assim o desgaste desnecessário de sua imagem.

O conceito de esquerda e direita surgiu com a república, portanto na Revolução Francesa, mas, ao contrário dos Estados Unidos, os franceses seguiram a escrita de Rousseau literalmente, derramando muito sangue.

A república era apoiada pela esquerda, e a monarquia  era apoiada pelos conservadores, portanto, pela direita. Esse sistema se inverteu nos EUA, onde os democratas que eram contra a abolição dos escravos, hoje são apoiados pelos afros, latinos e outra minorias, qualquer semelhança com a vida de José Sarney não é coincidência.

Na época da Revolução Francesa, os girondinos tomaram o poder, assim os jacobinos passaram a ser a esquerda, já que eram mais extremistas.

Alguns estudiosos defendem a tese de que o partido nazista era de esquerda, mas essa é uma forma de se defenderem de eventuais críticas, a defesa é um direito da esquerda também. Enquanto isso há pensadores que defendem o nazismo como uma terceira força, ideia que até Hitler defendia.

Hitler era ultranacionalista e rejeitava o capitalismo, e tinha bons motivos para isso, a Inglaterra fora contra seu projeto de expansão econômica, criando uma ferrovia para escoar sua produção industrial. Também era contra o comunismo, o que iria contra as grandes fortunas alemãs e prova uma teoria minha: Haviam muitos interesses e pensadores alemães defendendo tais interesses, no governo de Hitler.

Visto de hoje, tudo fica mais claro. Mesmo sendo um sistema revolucionário, Hitler defendia interesses da elite e contrariava as organizações dos trabalhadores, controladas em sua maioria pelos judeus.

Tudo conspirava a favor de Hitler: Precisava expandir seus mercados e tinha motivos para rejeitar o capitalismo e o comunismo. A Inglaterra teve muita culpa nisso tudo.

A direita é conservadora nos costumes e liberal na economia, seguindo, portanto, seus próprios interesses. A esquerda, assume o papel contrário, invertendo essas posições.

Tudo ia muito bem no sistema bipartidário, até que houve a necessidade de alianças partidárias contrárias ideologicamente. Frios e calculistas, os políticos utilizaram a matemática para manterem-se no poder, aumentando ainda mais a anarquia.

A divisão da direita em cinco principais grupos ideológicos, coloca a direita numa posição incômoda, ao lado dos ultranacionalistas, levando aos racistas, mas, apesar de apoiarem e se identificarem com a direita, esse grupo é extremista.

Em contra partida, os imperialistas atacam os movimentos de guerrilha, chamando-os de terroristas. Grupos paramilitares não devem ser confundidos com terroristas.

Apesar de toda a sua fama, a esquerda não teve sucesso em suas revoluções, ao contrário dos extremistas de direita que, apoiados pela elite de pensadores, intelectuais e empresários, conseguiram alcançar o poder, mesmo permanecendo no poder por um tempo tempo relativamente curto, como foram os casos do partido nazista e do partido facista da Itália.

Tanto a Itália, quanto a Alemanha, eram países novos e em transição, portanto, sem muito apoio internacional, como sua arqui-rival, a Inglaterra.

O Japão uniu-se a esse grupo com uma ideologia ainda mais conservadora e, depois de enfrentar um boicote econômico muito forte, o país que não poderia viver sem recursos próprios, engajou-se numa luta desesperada pela sua sobrevivência, apresentando ao mundo seus Kamikazes.

O caso de Cuba é um caso raro de esquerda que permaneceu no poder durante um bom tempo, distinto da China que, ao crescer, teve de se adaptar às regras internacionais e ao Grupo de Bilderberg, apesar de não ceder totalmente, e deverá ajudar a escrever um novo capítulo de nossa história.

A direita e esquerda estão mais concentrados na política econômica e menos nos índices de desenvolvimento humano(IDH), isso explica o abandono e a pobreza espalhada pelo mundo afora.

A direita é conservadora e teme idéias revolucionárias, tem medo de mudanças e de que isso possa vir a provocar instabilidade social e econômica, enquanto isso, a esquerda prega mudanças, onde poderia se sentir mais confortável, além da distribuição mais justa de renda.

Há países onde a direita conseguiu resultados satisfatórios para a sociedade, mesmo com casos isolados de terrorismo da extrema direita, como foi o ataque terrorista na Noruega. Esse ataque mostra um lado obscuro do pensamento evoluído dos países nórdicos, nada que comprometa sua posição de melhor região para viver do mundo.

Nos melhores países do mundo para se viver, o que se destaca não são os partidos, mas a própria sociedade.

Partidos de direita brasileiros:

Democratas (DEM; antigo PFL)

Partido Progressista (PP; antigos PPB e PDS)

Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)

Partido da República (PR)

Partido Social Liberal (PSL)

Partido Trabalhista Cristão (PTC)

Partido Humanista da Solidariedade (PHS)

Partido Social Democrata Cristão (PSDC)

Partido Republicano Progressista (PRP)

Fonte: Wikipedia

Texto: By Jânio

Postar um comentário