domingo, 10 de julho de 2011

Aprovados no exame da OAB chega a 10 mil



A manipulação de pessoas é uma das formas preferidas de se adquirir poder, um exemplo perfeito foi o exame da OAB.

O voto da educação é um dos votos mais baratos, relacionado à infraestrutura. Os votos do setor de transportes, saúde, segurança, todos são caros e de controle mais complexo.

Então, porque não investir na educação?

O investimento em educação é um voto perigoso, pois as pessoas aprendem a pensar, ver e a refletir, a não ser que a educação seja muito abaixo do aceitável.

Nos últimos anos, houve um aumento considerável de faculdades no país, e se o problema era passar no vestibular, todos os problemas estão resolvidos.

Aproveitando-se da facilidade de financiamentos públicos, surgiram faculdades de todo tipo: Pela internet, faculdade por correspondência, franquia de faculdades, etc.

O resultado está sendo observado agora, no exame da OAB, e poderia ser pior, se houvessem mais instituições dispostas a apertar o cerco a essa farra das faculdades.

Faculdades particulares funcionam da seguinte maneira: Para agradar o cliente, o cliente tem de passar, ou receber o dinheiro de volta.

Se ninguém passa, naturalmente, a faculdade irá a falência, portanto, quanto mais aprovados, maior o lucro.

Não precisava ser assim, se houvesse um mínimo de competência por parte desses empresários da educação, mas para isso seria preciso regras mais rígidas quanto a constituição dessas faculdades.

O que vemos agora é uma queda de braço, entre o governo e a OAB. O governo diz que a OAB está sendo muito rígida, enquanto a OAB mostra que as faculdades não tem competência para ensinar.

Apenas 9,7% dos bacharéis em direito passaram no exame da Ordem dos Advogados do Brasil. Foram inscritos 116 mil bacharéis, pelos meus cálculos, menos de 25 por cento do total de bacharéis se inscreveram.

Vamos usar um número hipotético? - De 500 mil bacharéis de todo o país, menos de 10 mil poderão ser advogados.

No ano passado, um cidadão que se julgava mais importante que os outros, entrou com um recurso contra a OAB, para poder exercer a profissão de advogado.

Quanto ao direito de entrar com um recurso, ele estava certo. Se as faculdades não tem competência, porque estão funcionando?

No Brasil, há 1.120 faculdades, capazes de formar mais de 650 mil bacharéis. Para um total de menos de 10 mil advogados, isso é ridículo.

O raciocínio é simples: Os empresários não estão interessados na formação dos universitários, seu interesse é exclusivamente no dinheiro público. Com o dinheiro na mão, nenhuma autoridade encostará a mão neles.

By Jânio
Postar um comentário